Oferta de Gás natural terá aumento de quase 3 vezes até 2030 e construção de dutos terá que acompanhar

Gás natural e a malha

Construção de gasodutos no Brasil terá que ser acelerada para acompanhar o aumento da oferta de Gás natural até 2030

As recentes descobertas de Gás natural no offshore brasileiro tem levado a um outro assunto muito comentado no mercado: a expansão da malha dutoviária brasileira.
A feira Rio Pipeline 2019 que está acontecendo no Rio de Janeiro está recebendo debates muito interessantes sobre o setor e um deles é sobre os estudos feitos pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética), ligada ao MME.

Segundo o EPE o Brasil verá, até 2030, sua oferta de gás natural, aumentar dos atuais 59 milhões de metros cúbicos por dia para 147 milhões de metros cúbicos por dia.
A quase triplicação da oferta demandará uma expansão gigantesca da malha dutoviária brasileira. O Brasil tem hoje, cerca de 9000 km de gasodutos e concentrada na costa, prejudicando o alcance ao interior do país.

Somente para efeito de comparação, a malha de gasodutos da Argentina tem cerca de 16 mil km, a da Europa 200 mil km e a dos EUA, 497 mil km.
Em um país de dimensões continentais como o nosso, isso faz muita diferença e prejudica hoje a distribuição e nos faz perceber quanto de investimento terá que ser feito na infraestrutura do setor para que o programa de abertura do novo mercado do gás lançado pelo governo federal tenha sucesso.

Estudos do EPE

São três os estudos feitos pelo EPE e que estão sendo apresentados na feira Rio Pipeline 2019, o Plano Indicativo de Processamento e Escoamento de Gás natural, o Plano Indicativo de Oleoduto e o Plano Indicativo de Gasodutos de Transporte.

Os estudos levam em consideração gasodutos já autorizados, além de novas rotas de escoamento do pré-sal, que hoje tem a rota 1 e 2 em operação e a rota 3 em conclusão.

Entre estes projetos podemos citar, o Gasoduto Brasil-Central, que ligará São Carlos (SP) a Brasília, onde devem ser construídos 905 km de linha, com investimentos de R$ 7,2 bilhões.
A EPE não poderia deixar de considerar a produção de Gás natural na Bacia de Sergipe-Alagoas, cujas recentes descobertas devem aumentar, principalmente a partir de 2025, a 30 milhões de metros cúbicos por dia em 2030.

Rotas brasileiras

Em relação as rotas 1,2 e 3, a capacidade de escoamento de 44 milhões de metros cúbicos por dia, mas só a produção do pré-sal será de 71 milhões de metros cúbicos por dia.

Portanto, pode se ver a importância da Rota 4 tradicional, que liga o pré-sal da Bacia de Santos ao litoral de São Paulo. A EPE também está analisando uma Rota 4 alternativa, que sai da Bacia de Santos e vai até o Porto de Itaguaí (RJ).

Outra rota em análise é a Rota 5, que sai do pré-sal da Bacia de Campos, com três alternativas de destino: Porto de Itaguaí, Porto do Açu e Tepor (Terminal Portuário de Macaé).
Já a Rota 6 ligaria a Bacia de Campos ao Porto do Açu ou ao Porto Central em Presidente Kennedy (ES).

Leia também ! Petrobras prevê 1º óleo dos campos de Berbigão/Sururu no 4º trimestre !

Renato Oliveira

About Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)