No primeiro dia do retorno as atividades na unidade P-77 da Petrobras, nova suspensão é imposta para embarques e desembarques de trabalhadores

Roberta Souza
por
-
27-07-2020 21:09:33
em Petróleo, Óleo e Gás
No primeiro dia do retorno as atividades na unidade P-77 da Petrobras, nova suspensão é imposta para embarques e desembarques de trabalhadores A suspensão ocorreu na unidade P-77, que está instalada no campo de Búzios, onde a Petrobras possui mais outras três plataformas

A suspensão ocorreu na unidade P-77, que está instalada no campo de Búzios, para que todos os trabalhores fossem testados para a Covid-19

Hoje, dia 27 de julho, seria o primeiro dia da implantação da Fase 1 de retorno ao trabalho presencial das operações nas plataformas da Petrobras. Porém, na unidade P-77, houve nova suspensão de embarques e desembarques de trabalhadores decorrente da covid-19, para que todos os trabalhadores da unidade fossem testados.

Veja ainda outras notícias:

A Petrobras confirmou os casos da unidade, porém, não informou o número de pessoas infectadas e disse que a produção não foi interrompida. Segundo a empresa “como determina o procedimento preventivo utilizado na Petrobras, qualquer colaborador que reporte sintomas compatíveis com covid-19 é imediatamente desembarcado, bem como seus contactantes. Esse procedimento foi aplicado no caso da P-77, com desembarques pontuais. De forma preventiva, a companhia optou por testar todos os colaboradores a bordo com testes RT-PCR, prática já adotada em outras plataformas”.

Para o sindicato dos petroleiros, a retomada está sendo precipitada e que a disseminação do vírus entre os empregados não conseguiu ser contida e só vai aumentar com mais gente a bordo, colocando em risco a vida de contratados e terceirizados.

Eduardo Henrique Costa, diretor da Federação Nacional dos Petroleiro e do Sindipetro-RJ informou que: “Eles bateram o martelo da volta justamente quando o País bate recorde de mortes por contaminação da covid-19, e continuam se recusando a discutir com os sindicatos as condições para a volta. A gente acha que o momento é diminuir o efetivo nas plataformas, não aumentar”.

Segundo o boletim semanal do Ministério de Minas e Energia (MME), até o dia 20 de julho eram 1.647 empregados infectados, sendo que 1.452 já haviam sido recuperados, e três óbitos registrados. De acordo com a Petrobrás, atualmente são 187 empregados com covid-19.

Já para Adaedson Costa, Coordenador da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP),  a Petrobrás continua se recusando a discutir a volta ao trabalho com os sindicatos e que a maior preocupação é o número de pessoas que a empresa vai colocar nas plataformas, depois da empresa ter reduzido o efetivo no início da pandemia.

“Vem gente de todo o País para as plataformas, a gente está bastante preocupado. Tudo bem em isolar o pessoal no hotel, mas e os empregados e hóspedes do hotel, quem vai monitorar?”.

O sindicato informou que vai acompanhar os embarques amanhã (28) e continuar insistindo com a empresa para que a retomada seja feita em conjunto com os trabalhadores.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos