Nióbio em veículos: como essa aplicação pode alavancar mercado de automóveis elétricos

Nióbio ajuda acelerar recarga de baterias | Imagem: Globo via Google

A aplicação de Nióbio em veículos elétricos deve ajudar a alavancar o mercado no Brasil, com baterias de recarga rápida ,além de leveza e resistência dos veículos

A aplicação do Nióbio em veículos resulta em diversos benefícios para a resistência e leveza nos automóveis. Esse metal, na verdade, está inserido nos mais diversos setores da indústria. E O Brasil domina cerca de 90% do mercado.

Suas aplicações promovem resultados importantes nas propriedades de ligas metálicas, aumentando a resistência mecânica de produtos das indústrias automobilística. Em se tratando automóveis elétricos, a aplicação do Nióbio é muito favorável. Entenda:

Mercado de veículos elétricos está em crescimento e o Nióbio pode ajudar ainda mais nessa ascensão

O mercado de veículos eletrificados no Brasil registrou novo recorde: 3.102 unidades vendidas até maio de 2021, de acordo com a Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE). Ao todo, já são 52.661 veículos elétricos rodando em terras brasileiras.

A expectativa da ABVE é que este ano o numero de veículos elétricos e híbridos emplacados no Brasil passe dos 28 mil. Um aumento de 42% relação a 2020.

Mas de acordo com especialistas, o que impede muita gente a adquirir um veículo não poluente, além do valor, é a falta de estrutura para recarga rápida. O que na verdade, as empresas já têm trabalhado para essa melhoria. É aí é onde entra o Nióbio.

Nióbio para rapidez da recarga das baterias dos veículos elétricos

A inserção de óxido de Nióbio no ânodo das baterias de lítio resulta em potencial de segurança, durabilidade e capacidade de recarga ultra-rápida em tempos inferiores a 10 minutos, sem perda do ciclo de vida.

As baterias de veículos elétricos com óxido de Nióbio, em um carro de médio porte, podem atingir autonomias de aproximadamente 350 Km e com menos de 10 minutos de carregamento o carro terá novamente outros 350 Km de autonomia.

Essa elevada capacidade de recarga através do Nióbio em veículos elétricos também se reflete no sistema de potência do carro, que podem atingir níveis de aceleração bem maiores em um curto espaço de tempo sem reduzir a vida útil da bateria.

Outra característica extremamente positiva desta tecnologia é a elevada capacidade de receber carga dos sistemas de frenagem dos carros, tornando-se assim uma solução muito competitiva também para os carros híbridos pelo seu potencial de redução de consumo de combustível.

Leia mais:

Brasil será o protagonista da revolução do nióbio no mundo, o metal essencial para a indústria siderúrgica, carros elétricos, infraestrutura, tecnologia e saúde

A líder mundial em produção de nióbio CBMM fecha parceria internacional e adota tecnologia canadense para aumento de desempenho de baterias em veículos elétricos

Brasil exporta o óxido de Nióbio que é aplicado em baterias

A empresa CBMM está na vanguarda das primeiras baterias elétricas com Nióbio no mercado. São exportados o óxido de nióbio que é aplicado nas baterias para bicicletas, scooters e triciclos, vendidas para países asiáticos. Esses produtos resultam em mais estabilidade, segurança (reduz consideravelmente o risco de explosão) e maior vida útil.

A CBMM conta com mais de 40 projetos em desenvolvimento junto a universidades, startups e centros de pesquisa ao redor do mundo, que visam novas tecnologias com Nióbio para baterias elétricas (no cátodo e no ânodo), cada uma delas com características específicas.

Para as baterias de recarga ultrarrápida (aplicação de óxido de nióbio no ânodo das baterias elétricas), a CBMM conta com parceria com a Toshiba.

As empresas estão trabalhando neste desenvolvimento desde 2008 e estima-se que esses produtos estejam disponíveis no mercado em 2023.

A inserção de óxido de Nióbio no ânodo das baterias de lítio resulta em potencial de segurança, durabilidade e capacidade de recarga ultra-rápida em tempos inferiores a 10 minutos, sem perda do ciclo de vida.
Mercado de veículos elétricos está em crescimento e Nióbio pode alavancar ainda mais | Imagem: Quatro Rodas via Google

O Nióbio deixa os veículos elétricos mais leves e fortes

A aplicação de Nióbio garante mais resistência e tenacidade ao aço. Sendo assim, possibilitam o uso de menos material, sem comprometer a resistência e aumentando a segurança das estruturas veiculares. Os carros ficam mais leves, proporcionando um menor esforço no motor, eficientes e mais econômicos (menor consumo de combustível).

LINHA UTV EXO Nb: A CBMM e a Giaffone Racing, especializada na produção de carros e motores de competição, lançaram em maio deste ano os primeiros UTVs produzidos no Brasil com a tecnologia do Nióbio.

Os carros, utilizados em competições off-road, possuem estruturas ultra resistentes e são até 10% mais leves que os concorrentes, graças a adoção de materiais que contam com adição de Nióbio em suas composições.

Com isso, além de atingir maior velocidade em menor tempo, os UTVs também apresentam ganhos em resistência e no custo operacional. Resultando em economia de combustível e maior vida útil dos componentes.

Além da versão de motorização a etanol, a linha EXO Nb conta com uma versão híbrida (etanol e elétrica), o EXO Nb-Hybrid, que será a principal atração tecnológica do Sertões 2021, o maior rally das Américas (12 a 22 de agosto) da praia da Pipa, no Rio Grande do Norte.

Como a maior empresa de Nióbio do Brasil tem se envolvido no mercado de veículos elétricos

A CBMM consolida-se como importante player no setor da mobilidade ao oferecer produtos com tecnologias avançadas de nióbio, em parceria com diversas empresas. São aplicações em carrocerias, chassis, discos de freio e baterias.

Em maio de 2021, a companhia firmou parceria com a ArcelorMittal, uma das maiores produtoras de aço do país, a Stellantis, antiga Fiat Chrysler Automobiles (FCA), e o Centro de Inovação Tecnológica (CIT) SENAI/FIEMG para o desenvolvimento de tecnologias avançadas para a indústria automotiva.

Com investimento total de R$ 1,2 milhão, o projeto terá duração de dois anos e prevê a utilização de aço microligado com Nióbio nos componentes estruturais de todo tipo de veículo, com o objetivo de obter carros mais seguros. E com melhor desempenho.

Os pesquisadores do Instituto SENAI de Inovação em Metalurgia e Ligas Especiais serão responsáveis por liderar o desenvolvimento de um novo tipo de aço, mais leve e resistente. Para uso em automóveis fabricados no Brasil.

A CBMM dará o suporte tecnológico, com foco nas aplicações de nióbio que garantem mais flexibilidade, resistência e tenacidade ao aço. Já a ArcelorMittal será a empresa que irá produzir e fornecer esse material para as indústrias automotivas.

E a Stellantis aplicará o aço na linha de produção de seus veículos, estabelecendo critérios de qualidade rigorosos.

Tags:
Júnior Aguiar
Jornalista, formado pela Universidade Católica de Pernambuco | Produtor de conteúdo web, analista, estrategista e entusiasta em comunicação.