Nike, a maior empresa de esportes do mundo trabalha para reduzir desperdício em fábricas e revenderá calçados pouco usados e com pequenos defeitos

Flavia Marinho
por
-
13-04-2021 10:04:34
em Indústria e Construção Civil
Nike - fábrica - produção - defeitos - vagas -calçados pouco usados - tênis Fábrica Nike / Fonte: Reprodução Google

Para reduzir desperdício de produção em fábricas, Nike também venderá calçados usados ou com pequenos defeitos de fabricação

A americana Nike pertencente àquele escasso time de multinacionais reputadas por revolucionar o setor em que operam, trabalha e inova para reduzir o desperdício nas fábricas, e passará a comercializar calçados usados ou com pequenos defeitos de fabricação, em um serviço denominado “Nike Refurbished” (Nike renovada).

Leia também

O serviço já está disponível em algumas lojas dos Estados Unidos e em breve estará em 15 locais. A multinacional americana apresenta a iniciativa como um exemplo de economia circular.

A ideia da Nike é recuperar calçados devolvidos pelos clientes em até 60 dias após a compra, inspecionar e, no caso de produtos que ainda possam ser comercializados, serão recuperados e desinfetados manualmente.

Segundo a empresa, Nike Refurbished contará com três categorias: “como novo”, “pouco usado” e “com defeito estético” para sapatos com problemas de fabricação. O preço dependerá da categoria.

Investimento milionário no Nordeste: nova fábrica para produzir tênis Mizuno vai gerar três mil empregos no Ceará

Três mil empregos para o Nordeste! O governador Camilo Santana anunciou mais um investimento milionário para a economia do Estado do Ceará. A partir de 1º de janeiro de 2021, toda fabricação da marca Mizuno será feita no município de Horizonte, CE.

A empresa Vulcabras Azaleia que adquiriu a operação da Mizuno no Nordeste é fabricante de marcas famosas como a Olympikus, Under Armour, Opanka e Dijean.

A Vulcabras fechou acordo com a Alpargatas no valor de R$ 32,5 milhões, para a compra da unidade de negócio relativa à operação da marca Mizuno no Brasil, de acordo com fato relevante das duas companhias divulgado na segunda-feira (21). A empresa gera hoje cerca de 14 mil empregos no País.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe