Início Navio-tanque Eagle Paulinia se junta à frota da AET para afretamento pela Petrobras

Navio-tanque Eagle Paulinia se junta à frota da AET para afretamento pela Petrobras

10 de julho de 2020 às 11:16
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Navio-tanque Eagle Paulinia se junta à frota da AET para afretamento pela Petrobras
Navio-tanque Eagle Paulinia, da frota AET

Mais um navio-tanque que junta-se à frota da AET para afretamento pela Petrobras para operar em águas nacionais, dessa vez é o Eagle Paulinia

Após a entrega da Eagle Petrolina em maio, a multinacional AET anunicou hoje (10), através de suas redes oficiais, que um segundo navio-tanque de posicionamento dinâmico (DP2) para afretamento para a Petrobras, a Eagle Paulinia, foi entregue com sucesso e segurança à AET.

Veja também outras notícias

O presidente e CEO da AET, capitão Rajalingam Subramaniam, parabenizou a equipe e disse: “Um agradecimento caloroso à AET e à Eaglestar Marine Holdings (L) Pte. Ltd. por sua dedicação e perseverança neste empreendimento, especialmente dada a situação pandêmica desafiadora.”

A segunda entrega do navio-tanque para a Petrobras é outro ótimo exemplo da colaboração que tem se visto em suas equipes de linha de frente, disse a AET, desejando ao capitão e sua tripulação a bordo da boa viagem, sempre navegando com segurança.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

A Eagle Paulinia se unirá à Eagle Petrolina e aos outros dois navios que estão na carta de navios a Petrobras desde 2012, para operar nas águas brasileiras.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Sobre a AET

A AET foi fundada no fornecimento de atividades seguras, de alta qualidade e de pontualidade no Golfo dos EUA, onde é considerada a principal fornecedora de serviços. Por mais de 25 anos, expandiu esse serviço para incluir a costa leste dos EUA e a América Latina; resultando em mais de 14.000 transferências ship-to-ship (STS) no total.

Apoiando a exploração de seus clientes no offshore, agora opera os tanques de transporte DP2, servindo cabeças de poço em Bacias brasileiras, nos mares de North & Barents e na plataforma continental do Reino Unido. Atualmente, todos os seus DPSTs estão protegidos em contratos de longo prazo.

Relacionados
Mais recentes