Mirando ativos da Petrobras, EIG venderá participação na operadora brasileira de gasodutos TBG para a Fluxys

Flavia Marinho
por
-
06-01-2021 15:56:58
em Petróleo, Óleo e Gás
PETROBRAS - GASODUTOS - GÁSTOS

A TBG possui e opera o trecho brasileiro do gasoduto Bolívia-Brasil (GASBOL), que é um sistema de gasodutos a gás natural de quase 2.600km

O presidente-executivo, da EIG, com sede nos EUA, Blair Thomas, informou que como parte de uma mudança mais ampla para a crescente indústria de gás natural do Brasil, quer licitar a participação de 51% no gasoduto de propriedade da estatal petrolífera brasileira Petrobras. Petrobras põe à venda toda participação nos gasodutos Brasil-Bolívia e TSB

Leia também

Ele disse que questões antitruste que bloqueiam uma oferta do EIG para uma participação na Petrobras são resolvidas pela venda por um montante não revelado da participação de 27,5% da EIG na parte brasileira de um gasoduto conhecido como Gasbol, que conecta as reservas bolivianas ao Brasil.

“Trata-se de nos liberar para uma estratégia mais ampla”, disse Thomas em uma entrevista por videoconferência.

Ele disse que o EIG, que gerencia fundos focados em ativos energéticos, pretende criar uma alternativa do setor privado para processar e transportar gás de grandes petrolíferas à medida que o Brasil desenvolve as maiores descobertas offshore do pré-sal.

A EIG está pronta para gastar bilhões para se juntar a parceiros na aquisição de gasodutos, plantas de processamento e, eventualmente, na produção de gás natural no Brasil, disse Thomas, à medida que a oferta e a demanda pelo combustível crescem na maior economia da América Latina.

“Acreditamos na transição energética e o gás natural tem um papel fundamental a desempenhar nisso”, disse Thomas.

A aposta do EIG no Brasil vem enquanto a Petrobras acelera as vendas de ativos, acabando com o que era quase um monopólio estatal em gás natural há cinco anos.

Ele disse que o EIG também está investigando campos de petróleo offshore de médio prazo da Petrobras produzindo de 150.000 a 200.000 barris por dia, incluindo os campos legados Albacora e Marlim.

Saindo da Bolívia

A Gasbol conecta as reservas de gás natural no país andino ao Brasil por meio de duas entidades distintas: a Gas TransBoliviano SA (GTB), que possui e administra a seção boliviana e a Transportadora Brasileira Bolívia Gasoduto-Brasil SA (TBG), sua contrapartida para o Brasil.

O fundo EIG que detém o investimento do gasoduto Brasil-Bolívia será fechado, disse Thomas. O lado boliviano do gasoduto de 2.600 quilômetros, no qual a EIG tem uma participação de 38%, acabará sendo vendido também, disse ele, sem dar detalhes.

O Brasil vem importando a maior parte de seu gás natural da Bolívia nas últimas décadas. Mas novas descobertas de petróleo e gás estão diminuindo lentamente essa dependência e podem transformar o Brasil em um exportador de gás algum dia, disse Thomas.

A EIG também investiu na Gas Natural Açu (GNA), terminal operacional de GNL, gás natural e hub de energia com 6,4GW de energia a gás em desenvolvimento no Porto do Açu.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.