Início Mesmo após encerrar produção no Brasil, multinacional Ford mantém tecnologia para desenvolver carros elétricos no país

Mesmo após encerrar produção no Brasil, multinacional Ford mantém tecnologia para desenvolver carros elétricos no país

4 de julho de 2022 às 12:36
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Mesmo após encerrar produção no Brasil, multinacional Ford mantém tecnologia para desenvolver carros elétricos no país
Pre-produção do model F-150 – imagem: Divulgação/Ford

Após o encerramento da produção no país, multinacional Ford mantém o desenvolvimento de tecnologias para carros elétricos e ainda contrata 500 novos engenheiros

A recente aparição de carros como o Ford Explorer, F-150 híbrida, Mustang Mach-E e Lincoln Navigator no território nacional se deu porque, além de alguns testes, a Ford aproveitou para apresentar aos funcionários brasileiros os carros que eles contribuíram com o desenvolvimento. Apesar do encerramento da produção de veículos no Brasil no começo do último ano, a multinacional manteve seu Centro de Desenvolvimento e Tecnologia no país.

1.500 colaboradores atuam no Centro da Ford no Brasil

O Centro da multinacional foi realocado da antiga fábrica para seis galpões em uma área de 6 mil metros quadrados disponibilizada pelo Senai Cimatec de Camaçari, na Bahia. No local, estão presentes o estúdio de design, de Teardown, laboratórios de realidade virtual, escritórios, e o DFord, uma área que atua como uma startup com foco em pesquisas e inovações para carros elétricos.

Artigos recomendados

No total, atuam mais de 1.500 profissionais nos galpões, sendo que 500 foram contratados recentemente. É importante ressaltar que 85% do trabalho realizado por estes profissionais é desenvolvido para o mercado global. Grande parte do esforço da engenharia nacional está focado no desenvolvimento de carros elétricos, componentes e ecossistema para eletrificação e software para veículos autônomos.

Os engenheiros também atuam no design e no desenvolvimento de veículos e sistemas que, muito provavelmente, nunca serão comercializados no mercado brasileiro. É o caso de tecnologias como o one pedal, do Mustang Mach-E, dos bancos massageadores dos Lincoln Navigator, Aviator e Corsair, e da luz ambiente da F-150 Lightning.

Novos veículos da multinacional Ford em 2023

Ainda que tecnologias como otimização de sistemas de carros elétricos, arrefecimento de sistemas eletrônicos e até o design de carros elétricos e híbridos sejam criados no Brasil, a Ford ainda não comercializa carros elétricos ou híbridos no país. Até planeja trazer o Mustang Mach-E ao mercado nacional, mas não em um futuro próximo.

Os lançamentos confirmados neste momento são a nova Ranger e a F-150, ambas previstas para o próximo ano. O trabalho voltado para a América do Sul está ligado a testes e validações de veículos para o mercado nacional, desmontagem, pesquisa e análise de componentes, desenvolvimento de conectividade veicular e softwares. O foco no mercado externo é tão grande que nem sequer há P&D relacionados ao uso do etanol.

É importante lembrar que a multinacional não comercializa mais carros Flex no país, sendo que foi uma das pioneiras nas pesquisas dessa tecnologia. A montadora afirma que só voltará a apostar nesse tipo de tecnologia caso haja demanda, mas que atualmente seu foco está voltado para a completa transição para os carros elétricos.

De acordo com o presidente da Ford América do Sul, Daniel Justo, a exportação de serviços de engenharia para os principais mercados da Ford tem como base três pontos: a equipe é criativa, versátil e possui experiência com redução de custos. Entretanto, também existe o fator de ser mais barato para a realização de alguns desenvolvimentos no país.

Contratação de novos profissionais

Apesar do encerramento das atividades de produção no país, a Ford anunciou uma ampliação de seu Centro e, para isso, foram contratados 500 novos engenheiros e especialistas para atuarem no parque tecnológico da multinacional na Bahia.

Para Daniel Justo, o time brasileiro de engenharia, que chega a 1,5 mil profissionais, possui um papel essencial na engenharia global da empresa. Justo acrescenta que é uma prova da capacidade e da competitividade do Brasil em exportar conhecimentos e projetos.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes