Mato Grosso lança edital para construção de mais de 700 km de nova ferrovia. Cerca de R$ 12 bilhões serão investidos e 200 mil empregos poderão ser abertos

Ferrovia – Mato Grosso – empregos Ferrovia/ Fonte: ANTT

A obra da nova ferrovia irá ligar a capital ao norte e sul do estado do Mato Grosso. O governador ressalta a geração de empregos e renda

Na última segunda-feira (19/07), o governo do estado do Mato Grosso anunciou um chamamento público para a construção de ferrovia estadual para ligar a capital Cuiabá aos municípios de Rondonópolis, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, cidades do interior do estado. O traçado do projeto tem 730 km, um investimento estimado em R$ 12 bilhões com 45 anos de operação e pode gerar cerca de 235 mil novos empregos ao estado. Confira ainda outra notícia: Novo centro tecnológico ferroviário será construído no estado de Goiás pelo Governo Federal

A construção da nova ferrovia no Mato Grosso

A nova ferrovia que vai interligar Cuiabá a Rondonópolis, bem como Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, além de se conectar com a malha ferroviária nacional, terá um investimento de R$ 12 bilhões. Segundo o estado do Mato Grosso, o investimento vai gerar mais de 235 mil empregos, além de potencializar a economia.

O início da obra será depois de 6 meses da apresentação do licenciamento ambiental, que ficará a cargo em parte pelo governo de Mato Grosso e a outra parte pela empresa que vencer o chamamento público da ferrovia. As obras devem ter início no final de 2022.

Segundo o governador, a ferrovia é importante para saída dos grãos e para conectar a indústria e o comércio de Mato Grosso com o mercado nacional. O governador Mauro Mendes diz que a indústria de alimentos, de etanol, vai passar por essa ferrovia. E tem toda a segurança jurídica para fazer e daqui a alguns anos irão ouvir o apito do trem daqui de Cuiabá até o médio-norte.

Aumento do escoamento no Mato Grosso

A ferrovia deve melhorar de forma expressiva a capacidade de escoamento de Mato Grosso, cuja estimativa é de chegar, em 2030, a produzir 120 milhões de toneladas de grãos por ano, segundo o governo estadual. O trecho também desafogar significativamente o transporte pelas rodovias.

Segundo o secretário estadual de Fazenda, Rogério Gallo, a ferrovia também vai diminuir os custos logísticos dos produtores, uma vez que o frete ferroviário reduziu mais de 35% nos últimos cinco anos. Mais de 250 empresas do Distrito Industrial de Cuiabá poderão usar a ferrovia para escoar seus produtos e receber insumos, cenário que deve estimular a instalação de novas indústrias.

Veja ainda: Ferrovia – R$ 26 bilhões em investimentos são previstos para o setor ferroviário de Minas Gerais, com geração de mais de 370 mil empregos

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), assinou um decreto para transferir à iniciativa privada a administração de 19 ferrovias do estado. A expectativa é atrair cerca de R$ 26,7 bilhões para o setor ferroviário. Segundo o Governo, a exploração de linhas de menor extensão, conhecidas como “shortlines”, pode gerar mais de 370 mil empregos.

O desejo, segundo o Governo, é possibilitar o primeiro trecho ferroviário do País administrado no modelo de autorização, pelo qual uma empresa privada atua por conta e risco próprios. Com o movimento, o estado de Minas Gerais se antecipa ao Congresso Nacional, que ainda não aprovou o projeto de lei que permite esse tipo de regime em ferrovias federais.

 A Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais já deu aval ao modelo, faltando apenas a regulamentação, despachada nesta terça, pelo governador Romeu Zema. Minas mapeou 19 projetos que, potencialmente, podem ser operados no modelo de autorização, com investimentos estimados em R$ 26,7 bilhões.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos