Índia e Brasil serão parceiros comerciais da China novamente em 2021 podendo alavancar a economia brasileira

Valdemar Medeiros
por
-
20-11-2020 08:47:14
em Economia, Negócios e Política
China - economia - índia economia mundial -navio contêiner

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul parecem estar focados no combate ao coronavirus enquanto traçam novos planos para restaurar a economia

Cada um dos líderes dos cinco países – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – parece expressar um forte desejo de trabalhar juntos no combate a áreas como a economia, a pandemia Covid-19, terrorismo e outras questões de interesse mútuo , conforme refletido na Declaração de Moscou , o documento oficial listando as promessas dos líderes.

Leia também

Todos os cinco líderes, prometeram colaborar no desenvolvimento e produção de uma vacina Covid para restaurar a economia

´´Isso está muito longe do antagonismo que Índia e Brasil lançaram sobre a China no que diz respeito a economia. O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, chegou ao poder com uma plataforma anti-China, prometendo se desligar do país asiático. Ele adorava Donald Trump abertamente, seguindo o ex-presidente dos EUA ao banir a Huawei e outros equipamentos de fabricação chinesa do lançamento de 5G (telecomunicações de quinta geração) em seu país.´´ afirma o jornal reuters

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, tem sido ainda mais hostil à China, intensificando as disputas de fronteira dos dois países, banindo aplicativos e produtos chineses, aderindo ao esquema de segurança quadrilateral liderado pelos EUA para combater Pequim e outras posturas anti-China.

Então, o que o mundo deveria tirar da aparente reaproximação entre China, de um lado, e Índia e Brasil, do outro na Cúpula do BRICS para a economia?

O aumento do comércio e dos investimentos entre os BRICS estimularia o comércio internacional, revertendo a recessão mundial induzida pela pandemia. A cooperação entre a Índia e a China fortaleceria a segurança global na região da Ásia-Pacífico e além.

Pode-se sugerir que o BRICS é um “casamento feito nos céus”, já que seus membros poderiam ajudar uns aos outros a realizar seu potencial econômico e geopolítico.

As economias da China e dos outros quatro membros são altamente complementares. Os recursos do Brasil, da Rússia, da África do Sul e, em certa medida, da Índia alimentaram as proezas manufatureiras da China. Por sua vez, a tecnologia e o financiamento chineses impulsionaram o desenvolvimento econômico na Rússia, Brasil e África do Sul. O investimento chinês nas empresas emergentes de tecnologia da Índia e nas exportações de baixo preço desempenharam um papel importante no aumento do crescimento econômico desta última.

Na verdade, foi à compra e o investimento da China em recursos naturais e em outros setores industriais que fizeram do BRICS o que ele é hoje, ultrapassando o Grupo dos Sete países em tamanho da economia. De acordo com o Fundo Monetário Internacional, o produto interno bruto combinado dos países do BRICS em 2018 era de US $ 46,1 trilhões, enquanto o do G7 era de US $ 41,1 trilhões em termos de paridade de poder de compra (PPC).

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.