Grandes volumes de hidrocarbonetos descobertos permanecem “encalhados” nos campos de petróleo do Atlântico Sul no Brasil, Angola e Malvinas

Valdemar Medeiros
por
-
28-10-2020 10:55:46
em Petróleo, Óleo e Gás
Hidrocarbonetos - campos de petróleo Campo de petróleo

Enormes volumes de hidrocarbonetos descobertos em todo o mundo estão atualmente “presos”, nos campos de petróleo do Atlântico Sul de acordo com um estudo do Westwood Global Energy Group.  

O consultor identificou 119 campos de petróleo com hidrocarbonetos nesta categoria que foram encontrados entre 2008 e 2016 com 11 Bbbl de óleo e 36 Bboe de gás, mas atualmente não progredindo em direção ao desenvolvimento, incluindo Brasil, Angola e as Ilhas Malvinas no Atlântico sul. Esses volumes, que custaram cerca de US $ 24 bilhões para serem descobertos e com valor combinado de US $ 65 bilhões, representam 40% das reservas provadas em descobertas de alto impacto neste período.

Leia também

Campos de petróleo estagnados com Hidrocarbonetos

A análise dos Hidrocarbonetos de Westwood mostra que o maior volume de gás ‘estagnado’ está na bacia do Ruvuma-Rufiji na costa de Moçambique e na Tanzânia, onde 166 tcf foram comprovados entre 2010 e 2015, e ainda assim apenas 38 tcf mostrou qualquer sinal de progressão.

O Brasil tem o maior recurso de óleo/condensado parado com Hidrocarbonetos, com 3,8 Bbbl espalhados por 19 campos de petróleo  descobertos de alto impacto em cinco bacias geológicas.

Noutros locais, 3 Bboe de petróleo e gás permanecem na subsuperfície das bacias do Kwanza e do Baixo Congo em Angola; 14 tcf do gás descoberto permanece intocado nas bacias de Browse e Carnarvon, na costa oeste da Austrália; e mais de 500 MMboe estão parados na Nigéria, Malásia, Gabão, Vietnã, Romênia, Chipre, Canadá, Ilhas Malvinas e EUA.

Regime fiscal impede a distribuição

Segundo o consultor dos campos de petróleo, existem 26 fatores que contribuem para este estado de coisas com os Hidrocarbonetos. Os principais impedimentos são o regime fiscal/termos do gás no país anfitrião, juntamente com o acesso ao financiamento e a priorização da carteira. Fatores de subsuperfície incluem composição de fluido, qualidade do reservatório e compartimentalização.

Ao largo da Tanzânia, 14 descobertas de  campos de petróleo e gás em águas profundas agrupadas em cinco desenvolvimentos potenciais não vão a lugar nenhum devido às negociações prolongadas com o governo em termos de gás e reservatórios mais compartimentados do que ao largo de Moçambique ao sul – com menores densidades de recursos e maiores custos de desenvolvimento. Na bacia de Santos, no Brasil, seis descobertas dos campos de petróleo são afetadas por problemas de subsuperfície.

Júpiter, da Petrobras, por exemplo, tem grandes volumes de CO2 associado, embora novas tecnologias de manuseio de CO2 estejam sendo testadas no campo de Mero no bloco de Libra. Graeme Bagley, chefe de Exploração e Avaliação Global da Westwood, também citou as descobertas do pré-sal Dolomita Sul, Bigua e Bem-Te-Vi, todas menores que a média no jogo devido ao menor tamanho da armadilha e baixa qualidade do reservatório. A Petrobras desde então abandonou esses campos.

Nos campos de petróleo do Kwanza, os hidrocarbonetos descobertos contêm ~ 50% de gás e os operadores só receberam direitos sobre o gás desde 2018 ao abrigo de acordos de partilha de produção. Várias ações podem ser tomadas para reduzir o acúmulo de campos encalhados, sugeriu Bagley.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.