FPSOs encomendados pela Petrobras para o pré-sal da Bacia de Santos terão 25 por cento de conteúdo local

Flavia Marinho
por
-
27-03-2020 11:24:35
em Indústria Naval, Portos e Estaleiros
FPSOs encomendados pela Petrobras para o pré-sal da Bacia de Santos terão 25 por cento de conteúdo local FPSOs encomendados pela Petrobras para o pré-sal da Bacia de Santos terão 25 por cento de conteúdo local

Para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis os 25% estão dentro das exigências contratuais atuais, acordadas entre Petrobras e o Governo em 2019

Os FPSOs de Búzios 5 e Itapu que foram encomendados pela Petrobras para produzir no pré-sal da Bacia de Santos,  terão conteúdo local global mínimo de 25%. Crise do petróleo e pandemia faz Petrobras hibernar plataformas, reduzir investimentos e tomar outras medidas emergenciais

Leia também

Para a  Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis os 25 % estão dentro das exigências contratuais atuais, onde em 2019 o termo aditivo do contrato de cessão onerosa acordado entre a Petrobras e o governo federal alterou os compromissos de nacionalização dos projetos.

A Resolução ANP n° 726/2018 flexibilizou as exigências de conteúdo local nos contratos de E&P, reduzindo o índice global mínimo de UEPs para 40% – mesmo percentual estabelecido para a construção de poços. Já as atividades de coleta e escoamento terão de cumprir 25% de nacionalização.

A expectativa é que os FPSOs  Búzios 5 e Itapu encomendados pela Petrobras para produzir no pré-sal da Bacia de Santos entrem em operação em 2022 e 2024, respectivamente.

Batizado como Almirante Barroso, o FPSO de Búzios 5 foi contratado à  japonesa Modec, que encomendou quatro módulos com o Estaleiros do Brasil, no RS e dois com o estaleiro Brasfels de Angra dos Reis, no RJ. Já a unidade está sendo construída pelo Cosco, na China.

A  integração do FPSO Cidade de Campos dos Goytacazes  (P-74) foi feita  no Rio Grande do Sul pelo estaleiro EBR, sendo a P-74, a primeira das quatro plataformas a serem instaladas no campo de Búzios.

Os cascos de todas os FPSOs que operam no ativo foram convertidos em parte pelo grupo Enseada Indústria Naval, no Rio de Janeiro, e parcialmente em estaleiros asiáticos, que também integraram a P-75 e a P-77. Já a P-76 foi integrada pela Techint, no Pontal do Paraná (PR).

A fabricação e operação do FPSO de Itapu estão sendo licitadas pela Petrobras, com entrega de propostas prevista para 20 de abril.

por – PetróleoHoje

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe