Estado da Bahia lidera na geração distribuída de energia solar e eólica no Brasil

Valdemar Medeiros
por
-
06-01-2021 12:09:29
em Energia Renovável
Bahia - energia solar - geração distribuída Torres de energia eólica

A energia solar e eólica na Bahia trazem mais segurança na geração distribuída, ao meio ambiente e reduzem os custos para o consumidor

A Bahia tem se mostrado bastante empenhada ao adotar a energia solar e eólica como principal fonte de distribuição de energia no estado. Mantendo a liderança pelo segundo ano consecutivo, a Bahia está atualmente ocupando o primeiro lugar no ranking nacional na produção de fontes renováveis. As Secretarias de Desenvolvimento Econômico (SDE) e de Infraestrutura (Seinfra) do Governo do Estado tem trabalhado muito para que ainda mais progressos ocorram, e assim a Bahia se mantenha no alto do ranking.

Leia também

Energia eólica é líder na Bahia

A fonte de energia eólica gerou em torno de 12.590,21 GWh entre os meses de Janeiro e Setembro de 2020, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Com a ativação de 17 novos parques em 2020, garantiu à Bahia a permanência na primeira posição do ranking na produção energia elétrica através da fonte dos ventos no Brasil.

Os parques que entraram em funcionamento foram Caititu 2 e 3, Carcará, Casa Nova A, Corrupião 3, Serra do Fogo, Serra do Vento e Ventos de São Januário 01, 03, 04, 05, 06, 13, 14, 20, 21 e 22 que ficam em Pindaí, Casa Nova, Sento Sé e Campo Formoso. Ao todo, são 182 parques em operação comercial em 20 municípios baianos.

O vice governador e secretário de Desenvolvimento econômico João Leão falou a respeito do assunto

“A Bahia receberá novas linhas de transmissão de energia elétrica, uma delas, do Grupo Neoenergia, terá 1 mil km de extensão, com prazo máximo de 60 meses para estarem prontas e expectativa de gerar mais de 4 mil empregos diretos na construção. As linhas de transmissão vão passar por 27 municípios, a exemplo de Morro do Chapéu, Poções e Medeiros Neto. Teremos também investimentos de R$ 13 bilhões na construção dos novos parques eólicos, que devem gerar 56 mil empregos diretos e indiretos. Já as novas usinas de energia solar estimam investir mais de R$ 8 bilhões e criar 27,5 mil postos de trabalho diretos. Ambos até 2025”.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.