Início Em apenas 35 dias, a gigante do petróleo brasileiro Petrobras quebra paradigma, bate recorde, e constrói poço offshore de águas profundas na Bacia de Campos

Em apenas 35 dias, a gigante do petróleo brasileiro Petrobras quebra paradigma, bate recorde, e constrói poço offshore de águas profundas na Bacia de Campos

25 de abril de 2022 às 11:12
Compartilhe
Siga-nos no Google News
petróleo - campo offshore - campos maduros - petrobras - recuperação de campo de petróleo
Imagem – Fistuca-BLUE-Hammer




Petrobras não só quebrou um novo paradigma na construção de poços offshore como também marcou uma nova etapa na revitalização de campos de petróleo maduros

Petrobras, uma das maiores petroleiras do mundo, anunciou em fato relevante ao mercado, no dia 19 de abril, que bateu recorde nacional no tempo de construção de um poço em águas profundas, alcançando a marca de 35 dias, no campo de Marlim, na Bacia de Campos. Para efeito de comparação, o recorde anterior no país foi de 44 dias, batido em 2021 no campo de Golfinho, na mesma bacia.

De acordo com a petroleira brasileira, em Marlim, a média histórica nos últimos 20 anos na construção de poços era de 93 dias, indicando uma redução de 63% nesse prazo. Esse desempenho gerou economia de cerca de R$ 40 milhões para a Petrobras, considerando a redução de custos em despesas logísticas e no aluguel de sondas, cuja taxa diária gira em torno de R$ 1,5 milhão, além da redução de exposição dos trabalhadores ao risco.

Artigos recomendados

O poço 7-MRL-233H-RJS integra o projeto de revitalização dos campos de Marlim e Voador e está localizado em lâmina d´água de 850  metros – equivalente à altura de 22 estátuas do Corcovado empilhadas -, a 150 km da costa. “Com esse recorde, a Petrobras não só quebrou um novo paradigma na construção de poços como também marcou uma nova etapa na revitalização de campos maduros. Toda redução no prazo de construção de um poço é sinônimo de redução expressiva de custos e geração de valor, pois essa atividade equivale a cerca de 30% dos investimentos em Exploração e Produção”, avaliou o Diretor de Desenvolvimento da Produção, João Henrique Rittershaussen.

O resultado reflete, também, a aplicação de uma nova metodologia na seleção de configuração de poços – mais otimizada, eficiente e com resultados mais rápidos. O objetivo é reduzir o custo de construção de poços e otimizar o Valor Presente Líquido (VPL) para o projeto.

Construção desse poço faz parte do maior programa de recuperação de um ativo maduro em andamento na indústria offshore mundial


A construção desse poço faz parte do maior programa de recuperação de um ativo maduro em andamento na indústria offshore mundial: a revitalização dos campos de Marlim e Voador. Um campo é considerado maduro quando ultrapassou o ápice de sua produção. O projeto Petrobras prevê a interligação de 75 poços e a instalação, em 2023, de duas plataformas do tipo FPSO (sistema flutuante de produção, armazenagem e transferência de petróleo), com capacidade de produzir, juntas, 150 mil barris de petróleo por dia (bpd).
 
“A expectativa é que Marlim represente um divisor de águas em projetos de recuperação de campos maduros de grande porte, abrindo caminho para a companhia investir em outras iniciativas similares. Mesmo depois de completar 30 anos de produção, o campo continua se renovando e trazendo novas oportunidades para a companhia”, concluiu o Diretor Rittershaussen.
 
De acordo com a Petrobras, com operação iniciada em 1991, Marlim é o ativo brasileiro com maior produção acumulada, com quase 3 bilhões de barris de petróleo equivalente, e o primeiro projeto da Petrobras a receber o prêmio concedido pela Offshore Tecnology Conference (OTC) – considerado o Oscar da indústria mundial – em 1992, pelo conjunto de tecnologias inovadoras aplicadas no campo.


Relacionados
Mais recentes