Eike fecha delação premiada em multa de 800 milhões de reais; 116 milhões podem ir para o Ministério da Saúde para o combate ao coronavírus


Eike fecha delação premiada em multa de 800 milhões de reais; 116 milhões irá para o Ministério da Saúde para o combate ao coronavírus

Eike deverá pagar R$ 116 milhões a vista, assim que o acordo for homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O resto do montante poderá ser pago ao longo de 4 anos.

Dos 800 milhões de reais em multa a ser pago por Eike Batista no acordo feito na segunda-feira (23/3) para a Procuradoria-Geral da República (PGR), o primeiro montante no valor de 116 milhões da delação premiada poderá ser destinado ao Ministério da Saúde em combate ao novo coronavírus.  A empresa brasileira de perfuração Perbras contrata para vagas em Macaé, Bahia, Espírito Santo e Campos dos Goytacazes

Leia também

E o que Eike Batista revelou no acordo fechado ontem pelos advogados Rodrigo Mudrovitsch e Victor Rufino e que será assinado até sexta-feira?

O ex-homem mais rico do Brasil detalhou a PGR depois de uma longa negociação as operações irregulares com os  bancos: JP Morgan, Goldman Sachs, BTG Pactual, ItaúBBA, Morgan Stanley e Credit Suisse, no valor total de cerca de US$ 1 bilhão. As irregularidades foram feitas feitas num longo período — tanto no seu auge, quando chegou a ser a sétima maior fortuna do mundo, como nos anos de derrocada do império X.

O fechado em 800 milhões de reais, ainda deve ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal. Deste total, Eike deverá pagar R$ 116 milhões a vista. O resto do montante poderá ser pago ao longo de 4 anos. Este é o primeiro acordo de delação da gestão do PGR, Augusto Aras. Aras pretende destinar o primeiro montante pago ao Ministério da Saúde para o combate ao novo coronavírus.

Além da multa, o empresário cumprirá pena de quatro anos, sendo um em regime fechado, dois no regime semiaberto e um ano em prisão domiciliar. Atuam na defesa do empresário os advogados Rodrigo Mudrovitsch e Victor Rufino.

Casos antigos

Foi em 2013 que os negócios de Eike Batista entraram em crise e ele começou a deixar o controle das companhias e vender o patrimônio.

O empresário foi preso em janeiro de 2017. À época fora do país, ele chegou a ser considerado foragido quando policiais federais tentaram cumprir o mandado de prisão e não encontraram o empresário em sua casa — a PF pediu pediu a inclusão do nome de Eike na lista de procurados da Interpol.

No caso, o dono do Grupo EBX, foi acusado pelo MPF de participar de um esquema de propinas liderado pelo ex-governador fluminense Sérgio Cabral. Eike e Flávio Godinho, seu braço direito no Grupo EBX, foram acusados de lavagem de dinheiro por terem pago US$ 16,5 milhões a Sérgio Cabral em troca de benefícios em obras e negócios no Rio de Janeiro, usando uma conta fora do país. Os três também são suspeitos de ter obstruído as investigações.

Em 2018, Eike Batista foi condenado a 30 anos de prisão por pagar propina a Sérgio Cabral. A decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, acolheu denúncia contra o empresário por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Já no ano passado, por ordem de Bretas, o empresário foi preso em um desdobramento da “lava jato”. Ao conceder Habeas Corpus, a desembargadora Simone Schreiber, plantonista do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, criticou a prisão. Ela afirmou que a prisão não pode ser usada como “ferramenta de constrangimento do investigado, para interferir no conteúdo de seu interrogatório policial”.

Em outro caso, Eike também foi condenado a oito anos e sete meses de prisão por uso de informação privilegiada (insider trading) e manipulação de mercado. Ele já havia sido absolvido de pagar uma multa de R$ 21 milhões relacionada ao mesmo caso e imposta pela Comissão de Valores Mobiliários. A decisão de absolvê-lo foi do Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, do Ministério da Economia.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.

Flavia Marinho

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.