Ebse entrega último vaso de separação pro Comperj e ganha contrato no exterior

Comperj vai ganhar equipamentos da EBSE

Empresa conclui entrega de equipamentos pesados que serão utilizados no Comperj e conquista contrato com empresa italiana que está fazendo obras na Argentina

Com muitas dificuldades impostas pela crise que assolou o setor de óleo e gás, mas com muita garra e competência, a Ebse, tradicional fornecedora de bens e serviços do Rio de Janeiro, concluiu no último domingo (25/08), a entrega de um vaso separador liquído/vapor encomendado pela Mip Engenharia e que será utilizado no sistema do flare do Comperj. Veja também outras empresas brasileiras que conquistaram contratos no exterior.
O equipamento de grande porte, possui 35 metros de comprimento e 6,68 metros de diâmetro e é o último de um lote de cinco equipamentos fabricados pela Ebse.

O Presidente da Ebse, Marcelo Bonilha, falou sobre o desafio do projeto, que foi construído graças a importação de um tipo de aço não produzido no Brasil, devido ao requisito de H2S, que aumenta sua resistência.

“Este projeto nos trouxe um grande desafio de conciliar a fabricação e logística. Para tanto, alugamos uma fábrica em Itaboraí (RJ), próxima ao Comperj, o que permitiu o transporte do equipamento para a refinaria”, declarou ele.

A Ebse ainda tem outros contratos com o Comperj, como por exemplo fabricação de spools para o consórcio Kerui-Método e se sente orgulhosa por ter sobrevivido a crise do mercado de óleo e gás no Brasil.
Acreditando na retomada dos projetos de offshore a Ebse apresentou proposta para fornecimento de equipamentos e módulos para Mero 2, que será construído pela SBM Offshore e está atenta a outras oportunidades também na área de serviços, focando em diversificar suas atividades.

Contrato no exterior

Ao mesmo tempo em que finaliza, com êxito, a entrega de equipamentos para o Comperj, a Ebse anuncia a conquista de um contrato no exterior.
“Ganhamos um contrato para fornecimento de tubos em aço duplex com a empresa italiana Salini Impregilo, que está fazendo uma obra de despoluição do rio Riachuelo, na Argentina.Já detínhamos o conhecimento e tecnologia para trabalhar com este tipo de aço por causa do pré-sal. São poucas empresas no mundo que fazem isso”, declarou Bonilha.

Durante a crise a empresa diversificou sua carteira de clientes e trabalhou para a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro) e para a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).
Agora com a retomada da indústria de óleo e gás a tendência é a empresa se fortalecer ainda mais.

Leia também ! A TechnipFMC se dividirá em duas empresas de capital aberto !

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Click Petróleo e Gás.

Renato Oliveira

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)