Início Contêineres em escassez faz valores dos fretes marítimos para o Brasil triplicarem, chegando a um aumento de 360% em relação ao mês de junho do ano passado

Contêineres em escassez faz valores dos fretes marítimos para o Brasil triplicarem, chegando a um aumento de 360% em relação ao mês de junho do ano passado

3 de agosto de 2022 às 19:26
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Valores dos fretes marítimos para o Brasil teve um aumento exponencial e escassez dos contêineres é um dos principais motivos
Foto: reprodução www.pexels.com

Valores dos fretes marítimos para o Brasil teve um aumento exponencial e escassez dos contêineres é um dos principais motivos

A escassez na quantidade de contêineres é um dos principais motivos para o aumento dos preços dos fretes marítimos de importação para o Brasil. Segundo dados coletados pela Kestraa, startup especialista em gestão e monitoramento de cargas do comércio exterior, a mediana do frete marítimo da Ásia, um dos principais importadores do Brasil, aumentou 363% entre junho de 2020 e junho deste ano, alcançando o valor de US$ 6,67 mil.

O cálculo foi realizado tendo como base as medianas dos preços englobando mais de 12 mil cargas transportadas por contêineres entre Brasil e outros países desde o ano de 2020. Na época da pesquisa, o maior valor encontrado foi registrado em fevereiro, quando os contêineres chegaram a custar US$ 10 mil. Porém, a metodologia não inclui transações muito caras ou muito baratas em relação a média, para evitar distorções nos resultados.

Artigos recomendados

Em comparação, nos anos de 2020 e 2022 a mediana do preço do frete marítimo global para o Brasil deixou de custar US$ 1,6 mil em janeiro de 2020, alcançando o valor de S$ 2,6 mil em janeiro de 2022, uma elevação de 67% no preço. O aumento dos preços dos fretes marítimos começou pouco antes do início da pandemia, em março de 2020, se agravando com o lockdown, que causou o fechamento de fronteiras e comércios.

“Uma grande quantidade de contêineres foi tirada do mercado para uma reestruturação necessária ao período de lockdown. Porém,  mesmo após a reabertura, esse número de contêineres permaneceu reduzido, aumentando a procura por mais rotas e equipamentos, o que contrasta com a redução de ofertas, elevando os preços”, diz Marcelo Matos, sócio fundador da Kestraa.

A diferença dos preços dos fretes marítimos globais e dos fretes marítimos da Ásia é explicada pelo modo utilizado para transportar a carga, podendo ser utilizados modais terrestres, entre países da América do Sul, e modais marítimos e aéreos, entre países mais longes. No entanto, o aumento dos valores dos fretes marítimos para modais idênticos se deve à alta busca e a pouca oferta e também a escassez de contêineres.

Aumento dos preço do frete marítimo afeta principalmente o setor primário

O setor primário agregado é o que mais está sendo atingido pelos valores do frete marítimo. Como nesse setor existem produtos sensíveis a preço e o impacto é maior na conta final, esse setor é um dos mais afetados. O varejo também é muito atingido, porém não por conta do frete, mas sim pela forma de comércio, de acordo com Matos.

Outro setor grandemente atingido são as empresas de eletrônicos, já que estas necessitam de componentes originários de vários países.

Frete marítimo internacional só deve se estabilizar em meados de 2023

Com o aumento do custo médio de um contêiner no mercado global, que está sete vezes mais caro do que antes da pandemia, chegando próximo a US$ 10 mil por vários meses, os valores dos fretes marítimos internacionais poderá permanecer em alta por bastante tempo.

Um levantamento feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrou que os efeitos da crise logística internacional impulsionada pela Covid-19 no Brasil e nas principais rotas de navegação do mundo, ocasionou o aumento do custo médio do transporte de um contêiner no mercado marítimo global, que permaneceu próximo à US$ 10 mil em diversos momentos no primeiro semestre de 2022, valor o qual é sete vezes maior que o levantado antes da pandemia.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes