Conta de luz mais cara devido a crise hídrica, a maior em 91 anos no Brasil, aumenta os preços dos produtos nos shoppings e freia vendas de fim de ano nos comércios

Flavia Marinho
por
-
24-11-2021 09:09:05
em Indústria e Construção Civil
energia - conta de luz - preço - elétrica - shopping - comércio - crise hídrica

Efeito cascata: aumento na conta de energia elétrica impacta no valor dos produtos, e a alta nos preços vai prejudicar as vendas do comércio de fim de ano.

O Brasil enfrenta, em 2021, a pior crise hídrica desde 1930. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico, trata-se do momento mais crítico em 91 anos de monitoramento das bacias hidrográficas. Só em setembro, os reservatórios do sistema Sudeste e Centro-Oeste, responsáveis por 70% da geração de energia do País, operaram em torno de 19% de sua capacidade.

Leia também

Um dos setores mais afetados pela escassez nos reservatórios é o fornecimento de energia elétrica. Os efeitos da crise também atingem o bolso dos consumidores, que arcam com despesas adicionais que extrapolam a conta de luz..

Reajustes nas tarifas de energia elétrica podem aumentar em até 30% os preços de produtos nos shoppings centers do País

De acordo com a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), os reajustes nas tarifas de energia elétrica podem aumentar em até 30% os preços de produtos nos shoppings centers do País. O principal motivo para essa alta está relacionado com a inflação, situação na qual os consumidores finais são os mais afetados e que pode frear as vendas de fim de ano, período em que o comércio é aquecido em virtude do Natal e Ano Novo.

Segundo Luis Augusto Idelfonso, diretor institucional da Alshop, o reajuste de preço pode ocorrer em função de diferentes fatores. Em nota divulgada à imprensa, ele disse que o principal deles é a correção nas taxas condominiais que o shopping cobra dos lojistas.

Com o aumento da energia elétrica, a manutenção de custos do shopping aumenta consideravelmente, uma vez que a conta de luz representa até 45% do custo condominial.

Outro ponto de preocupação é a correção vinda dos produtores de matéria-prima e das indústrias, também em decorrência do aumento da tarifa de luz. Quando uma das fontes primárias de produção é impactada dessa forma, acontece uma reação em cadeia: aumenta o valor da energia elétrica, que faz os custos de produção subirem, impactando no preço ofertado às lojas que, por sua vez, repassam a alta ao consumidor.

No âmbito do varejo, uma das saídas para contornar esse aumento consiste em fazer escolhas mais inteligentes e economizar no que é possível. Seja a troca de iluminação por luzes de LED, implantação de um sistema de energia solar ou eólica e até mesmo optar por aparelhos que gastem menos energia. Toda ação deve ser pensada para reduzir os custos.

Como lojistas podem economizar em energia

Ainda segundo a Alshop, a climatização representa cerca de 60% das despesas elétricas no comércio. Por isso, é fundamental que os lojistas deem prioridade a aparelhos climatizadores mais modernos e econômicos.

Em seu blog, a Frigelar, empresa especializada em refrigeração e ar-condicionado, publicou um artigo que mostra o caminho para selecionar a tecnologia mais econômica para climatizar os ambientes das lojas físicas.

De acordo com a publicação sobre a melhor opção de ar-condicionado para o comércio, existem no mercado muitos modelos e tecnologias que podem reduzir o consumo de energia e ajudar nas economias do estabelecimento. Para escolher o aparelho ideal, porém, é necessário considerar alguns fatores importantes, como tamanho do ambiente e potência do aparelho, a tensão e voltagem, a carga térmica, entre outros.

Basicamente, existem diversas opções no mercado que podem diminuir o custo final. Uma delas é a tecnologia Inverter, que consome menos eletricidade e pode chegar a uma economia de até 40%, comparado ao modelo convencional.

Outra alternativa é fazer um projeto de climatização, em que técnicos especializados no assunto preparam uma solução com o melhor custo-benefício para cada estabelecimento.

De acordo com a Frigelar, um dos modelos mais populares e indicados para o comércio é o ar-condicionado piso teto, considerado muito eficaz na climatização de ambientes. O aparelho foi desenvolvido especialmente para locais com grandes fluxos de pessoas e é muito útil para espaços maiores.

Já em relação à troca na iluminação, vale a pena optar por lâmpadas de LED, que possuem uma durabilidade muito maior e consomem até 90% menos energia elétrica que as lâmpadas fluorescentes. Embora tenham um custo inicial mais elevado, a longo prazo o investimento se justifica no que se refere à economia.

O impacto do aumento de preço para o comércio

As crises hídrica, econômica e sanitária têm causado muitas dificuldades para a economia no geral. No varejo, os altos índices de desemprego e a redução salarial acabam desestimulando o consumo de bens materiais e agravando a recessão.

Após o longo período de quarentena, que afetou drasticamente o faturamento dos shoppings centers e o varejo no geral, o segmento encontra-se em recuperação e vê o aumento no preço dos produtos um empecilho a mais para enfrentar.

Por isso, adotar boas práticas para economizar energia é importante para minimizar a situação. Trata-se de uma ação que não resolve o problema em sua totalidade, mas contribui para a saúde financeira das lojas.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe