Como as principais empresas de petróleo estão entrando no mercado de energia renovável

Paulo Nogueira
por
-
16-07-2020 08:21:04
em Energia Renovável
petróleo energia renovável empresas As maiores empresas do petróleo do mundo e sua transição para as energias renováveis

Um ponto de inflexão foi alcançado à medida que o investimento em tecnologia de energias renováveis ganha ritmo enquanto o petrolífero perde força

Este ano será lembrado como o momento em que a tão esperada transição energética, que envolve a industria do petróleo o segmento de energia renovável, ganha rumo para um futuro de baixo carbono, deixando de ser um tópico de debate para uma mudança mais substancial.

Essa transição dos combustíveis fósseis ainda levará mais tempo do que muitos desejariam – mas o ritmo da mudança ultrapassará as atuais previsões convencionais.

A Covid-19 é apenas um fator em uma história mais complexa. O verdadeiro impulsionador foi um julgamento feito por parte dos negócios de energia – em particular empresas de petróleo e gás com sede na Europa, como BP, Shell, Equinor e Total – de que, por razões comerciais básicas, eles precisam estar do lado verde do mercado futuro. Isso reflete uma realização semelhante entre empresas consumidoras de energia em muitos outros setores industriais.

Resistir ao caminho das energias renováveis ​​tem sido reconhecido como um negócio fútil e ruim. O novo pensamento veio à tona agora porque o cartel da Opep perdeu sua capacidade de controlar os preços do petróleo, graças ao surgimento de um excedente sustentado de oferta potencial sobre a demanda.

Os preços do petróleo e do gás estão em declínio desde 2014. A recessão que se seguiu ao spread do Covid-19 reduziu ainda mais os preços este ano. O resultado foi uma extensa redução de ativos – US $ 22 bilhões somente para a Shell – e a constatação de que vários projetos planejados não são mais viáveis ​​comercialmente.

Obviamente, o petróleo ainda é necessário. A demanda não pode ser facilmente substituída em áreas como frete ou transporte aéreo. Mas com os preços limitados pela pronta disponibilidade de suprimentos – principalmente do setor de xisto dos EUA e de produtores desesperados por receita – investimentos no desenvolvimento de recursos que exigem preços sustentáveis ​​mais altos para serem comercialmente viáveis ​​serão difíceis para muitas empresas internacionais de petróleo e gás. justificar.

As reservas que podem ser desenvolvidas a preços atuais estão concentradas no Oriente Médio e em outras áreas instáveis, como Venezuela e Líbia. Quase todos esses suprimentos são controlados por empresas estatais e, portanto, inacessíveis às empresas internacionais.

É provável que a dependência de tais áreas cresça, mas será estrategicamente pouco atraente para os países importadores. Os EUA podem ter alcançado autossuficiência efetiva, mas a Europa e a Ásia, que agora importam 50% de todo o petróleo comercializado internacionalmente, permanecem dependentes de fornecedores externos. Países como a China, que importa 12 milhões de barris por dia, o Japão (3,7 milhões de barris / dia) e a Índia, cujas importações aumentaram dois terços para mais de 5 milhões de barris / dia na última década, são os mais vulneráveis.

Petróleo sendo descarregado em Qingdao, na província de Shandong, na China © Getty Images

A segurança energética, sem falar nas preocupações com o clima, impulsionará o desejo de maximizar a produção de energia limpa. O domínio chinês de algumas das tecnologias de energia mais novas e ecológicas – da energia eólica e solar às redes avançadas – é uma evidência do desconforto de Pequim com a dependência.

Estes são os mercados pelos quais os negócios de energia existentes competirão agora. O processo não é fácil. Essas empresas precisam montar dois cavalos. Eles devem colher a receita dos ativos existentes de petróleo e gás e decidir simultaneamente quais elementos do mercado de energia de baixo carbono oferecem retornos futuros atraentes.

Hidrogênio, armazenamento de energia e até uma nova geração de instalações nucleares de baixo custo são todas as possibilidades. O mesmo acontece com a infraestrutura – de redes a sistemas de carregamento – essencial para atender a novos suprimentos e demandas. Também é necessária uma mudança de mentalidade. Após décadas de foco na produção, as empresas devem se ajustar a um mercado em que as escolhas dos consumidores determinem o que é entregue e como.

De muitas maneiras, algumas dessas empresas estão à frente de governos que, na última década, dedicaram a maior parte do tempo tentando estabelecer acordos globais indescritíveis sobre redução de emissões.

Há sinais, no entanto, de que o foco mudou para o desafio industrial e a disputa por vantagens competitivas em um novo ambiente energético moldado pelo conhecimento e pela tecnologia, e não pela doação de recursos.

A China mantém uma vantagem no momento, mas enfrentará concorrência do Japão, Alemanha e Reino Unido, onde investidores corporativos garantirão apoio de governos cada vez mais preocupados com as ambições chinesas.

Todos esses desenvolvimentos prejudicam muitas das previsões convencionais de longo prazo do mix de energia. Os hidrocarbonetos – petróleo, gás e carvão – foram responsáveis ​​por 80% da demanda global de energia no ano passado, de acordo com a última edição da BP Statistical Review. Essa porcentagem mal mudou nas últimas duas décadas. O consenso é de que os hidrocarbonetos ainda serão responsáveis ​​por 70% ou mais em 10 ou 20 anos.

Mas a mudança nas prioridades comerciais mudará o cronograma. O Covid-19 não entrou em uma nova ordem mundial verde, mas seu impacto no mercado de energia foi forçar uma reavaliação das realidades comerciais.

O último relatório da Agência Internacional de Energia Renovável mostra que este ano, pela primeira vez na história, o investimento global em energias renováveis ​​está superando o investimento em petróleo e gás.

O palco parece preparado para uma transição muito mais rápida do que se pensava recentemente, comparável em velocidade e alcance com a revolução de TI das últimas duas décadas.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.