Início Com instabilidade no mercado de petróleo mundial em razão da guerra na Ucrânia, Bento Albuquerque discorre sobre o pedido dos Estados Unidos ao Brasil e outras medidas realizadas no país

Com instabilidade no mercado de petróleo mundial em razão da guerra na Ucrânia, Bento Albuquerque discorre sobre o pedido dos Estados Unidos ao Brasil e outras medidas realizadas no país

15 de março de 2022 às 10:54
Compartilhe
Siga-nos no Google News
petróleo, Estados Unidos, Brasil
Foto: Reprodução Google Imagens (via SoCientífica)

Em reunião sobre cenário do petróleo mundial com ministro do Brasil, representante dos Estados Unidos solicita ampliação da produção

Em razão da guerra na Ucrânia, o mercado global anda muito instável, sendo o principal reflexo na disparada do preço do barril de petróleo. Nesse sentido, os Estados Unidos chegaram a solicitar ao Brasil que aumente sua produção. Jennifer Granholm, secretária de energia do governo estadunidense, realizou o pedido a Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, ao longo de uma videoconferência na última quinta, dia 10 de março.

Leia também:

Segundo o portal Valor, no dia seguinte, o ministro brasileiro afirmou que a reunião com a representante estadunidense foi útil para debater a “conjuntura internacional”, que vem oscilando desde o início do conflito na Europa. Grande parte da conversa foi para discutir a necessidade de ampliar a produção de petróleo no mundo com urgência.

“Os países que têm estoque, como Estados Unidos, Japão, Índia e outros, estão liberando. Mas também tem que ter o esforço de aumento da produção. Ela [Jennifer Granholm] me perguntou se o Brasil poderia fazer parte desse esforço, e eu falei ‘claro que pode’. Já estamos aumentando a produção, enquanto a maioria dos países da OCDE, reduziu. Nós aumentamos nossa produção nos últimos três anos”, contou o Albuquerque.

O ministro de Minas e Energia informou que os integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) irão disponibilizar 60 milhões de metros cúbicos de petróleo ao longo dos dois próximos meses. De acordo com ele, a medida visa evitar a instabilidade do preço do petróleo no mercado global.

Ele reconheceu que o grande “desbalanceamento” entre oferta e procura, agravado pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, pode ultrapassar o problema de aumento dos valores e ocasionar a falta de fornecimento aos mercados. “Talvez não tenha diesel para atender a demanda de todos os países”, concluiu. Albuquerque explicou ainda que as reservas de óleo diesel nos EUA estão 20% mais baixas, assim como os estoques dos países do Oriente Médio, que também foram afetados, com uma queda de 40% nas reservas do combustível.

Além disso, o ministro disse que, aqui no Brasil, o armazenamento é supervisionado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Conforme ele, as reservas necessitam ser mantidas em níveis maiores à medida que os tanques de estoque estiverem mais distantes das refinarias.

Risco de desabastecimento de petróleo e alta nos combustíveis

A preocupação acerca do desabastecimento de petróleo foi responsável pela criação do Governo de um comitê de monitoramento, constituído por órgãos do governo, a fim de acompanhar o cenário todos os dias.

Em relação à alta dos combustíveis, Albuquerque afirmou que essa não é uma preocupação exclusiva do país, visto que a disparidade entre oferta e demanda não começou na Guerra da Ucrânia, apenas foi intensificada.

“Na retomada econômica do mundo em 2021, começou a haver aumento da demanda. Ocorre que a oferta não se recupera imediatamente. O aumento da produção de óleo e gás leva um determinado tempo, além de que os investimentos nestes setores foram reduzidos”, explicou ele. O ministro enfatizou também que o Brasil foi o único país a acrescentar 17% no valor do óleo e 22% no do gás.

O Brasil ainda não é capaz de processar o óleo gruto extraído dos campos, portanto, precisa importar derivados para atender o mercado nacional. Segundo Albuquerque, o país é fortemente dependente dos produtos externos, considerando que aproximadamente 30% do diesel e do GLP consumidos pelos brasileiros vêm do exterior.

Quanto às medidas para controlar a disparada dos combustíveis, o ministro disse que uma parcela delas precisa de tempo para apresentar resultados, como o fundo de estabilização de preços. “Fundos não nascem da noite para o dia. Estoques também não são estabelecidos tão rápido assim”, finalizou.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes