Início China e Índia: os novos clientes da Rússia que compram petróleo a um preço pechincha, ajudando Putin a mitigar riscos e se esquivar das fortes punições, além de fortalecer sua poderosa indústria de óleo e gás

China e Índia: os novos clientes da Rússia que compram petróleo a um preço pechincha, ajudando Putin a mitigar riscos e se esquivar das fortes punições, além de fortalecer sua poderosa indústria de óleo e gás

4 de julho de 2022 às 11:48
Compartilhe
Siga-nos no Google News
china - chineses - russia - india - petróleo - europa
Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, e presidente da República Popular China, Xi Jinping, em Hangzhou (China). Shutterstock / plavi011

Além da Rússia, a China comprou 260.000 toneladas de petróleo bruto do Irã no mês passado, a terceira compra desse tipo desde dezembro

A Rússia encontrou novos clientes para sua poderosa indústria de petróleo e gás! China e Índia estão comprando petróleo a um preço de pechincha e ajudando Putin a mitigar as consequências das fortes sanções econômicas impostas pelo Ocidente. “Com os preços dos combustíveis disparando, não são apenas os motoristas que se alinham quando veem um desconto”, diz o correspondente de negócios globais da BBC, Dharshini David.

Após a invasão da Ucrânia, a Rússia substituiu a Arábia Saudita como o principal fornecedor de petróleo para a China.

Artigos recomendados

De acordo com relatos à BBCNews, o Kremlin ofereceu descontos a Pequim em seus preços de petróleo e gás, o que lhe permitiu encontrar um mercado de suprimentos que não poderia vender como resultado das sanções econômicas para a guerra iniciada por Moscou.

Ele também foi para a Índia: antes da invasão, 1% das exportações russas de petróleo eram destinadas ao gigante asiático, enquanto em maio elas aumentaram para 18%.

Isso significa que, apesar do fato de a Rússia ter visto uma queda em suas receitas de exportação de petróleo e gás, a renda do setor de energia ainda é suficiente para financiar, entre outras coisas, o esforço militar representado pela invasão da Ucrânia.

Estatais chinesas obtiveram grandes descontos da Rússia e elevam suas compras de petróleo bruto!

De acordo com dados da administração aduaneira geral da China, as importações de petróleo bruto russo – incluindo o fornecimento que chega através do oleoduto leste da Sibéria-Oceano Pacífico – atingiram 8,42 milhões de toneladas no mês passado.

Isso representou um aumento de 55% em relação ao ano passado, atingindo níveis recordes em maio.

Empresas estatais chinesas, como Sinopec e Zhenhua Oil, aumentaram suas compras de petróleo bruto nos últimos meses.

As empresas receberam grandes descontos da Rússia, graças ao fato de que os compradores na Europa e nos Estados Unidos começaram a rejeitar o petróleo e o gás russos após a invasão.

Isso deixou a Arábia Saudita em segundo lugar entre os países que fornecem petróleo para a China, com 7,82 milhões de toneladas.

Mas a Rússia não é o único país com sanções vendendo petróleo para a China: de acordo com dados publicados na segunda-feira, Pequim comprou 260.000 toneladas de petróleo bruto do Irã no mês passado, a terceira compra desse tipo desde dezembro.

Moscou encontrou brechas legais para continuar exportando petróleo a preço de pechincha

De acordo com um relatório publicado na semana passada pelo Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA), a Rússia tem visto um declínio sustentado em suas vendas de hidrocarbonetos desde o início da imposição de sanções.

No entanto, o relatório adverte que Moscou encontrou brechas legais para continuar exportando.

Um deles seria exportar petróleo para países terceiros, como a Índia, para refiná-lo e em seguida poder enviar esse produto refinado para países europeus.

“O relatório aponta que cada vez mais petróleo russo está sendo exportado para a Índia para ser refinado, e que grande parte desse petróleo refinado encontra seu caminho para os mercados europeus”, diz o correspondente de negócios da BBC Theo Legget.

“E à medida que Moscou procura novos mercados e o petróleo russo passa de oleodutos para navios, a maioria deles é de propriedade de empresas europeias.”

“Para que a pressão sobre a Rússia seja eficaz, questões como essas devem ser abordadas.”

União Europeia continua sendo o principal cliente de petróleo e gás dos russos

Estima-se que US$ 59 bilhões dos US$ 97 bilhões que a Rússia recebeu em exportações de energia durante os primeiros 100 dias da guerra na Ucrânia vieram da UE.

Mas foi impossível chegar a um acordo para proibir completamente a compra de hidrocarbonetos da Rússia.

A UE planeja impor uma proibição às importações de petróleo russo que chegam por mar antes do final do ano, reduzindo as importações em mais de 60%.

Além disso, em março, a comunidade europeia se comprometeu a reduzir as importações russas de gás em pelo menos dois terços no período de um ano.

Por sua vez, os Estados Unidos decretaram uma proibição total das compras de petróleo, gás e carvão da Rússia, e espera-se que o Reino Unido faça o mesmo antes do final de 2022.

por- BBCNews

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes