Sondas de perfuração que valem 360 milhões postas a venda a partir de 20 pela Petrobras

Sondas de perfuração que valem 360 milhões postas a venda a partir de 20 pela Petrobras

Sondas com valores extremamente baixos, agora estão praticamente em sucatas.

No último dia 17, a Petrobras resolveu vender as sondas P-59 e a P-60 com um lance inicial de US$ 40 milhões( as duas juntas),  sendo que as mesmas custaram para estatal uma balela de US$ 720 milhões em 2010, pouquinho, não? Essas sondas perfuratrizes constituem a plano estratégico da Petrobras de desinvestimentos e segundo ela, até maio serão leiloadas( entregar de bandeja) 7 unidades no pacotão de vendas.

As 2 sondas citadas no primeiro parágrafo, foram montadas na época em associação das empresas  Odebrecht, UTC e Queiroz Galvão( alguém falou de Lava jato?) no próprio complexo de obras da Petrobras na Bahia.

Com promessas de que a construção das unidades P-59 e a P-60 seriam uma etapa importante na reconquista do setor naval brasileiro, esse marco foi comemorado pelas grandes empresas e os personagens de alto escalão do governo. Vide a foto do Dilmão e os demais tubarões no evento:

Ela discursou na cerimônia de batismo em 2012 ,exclamando que as parcerias feitas na época fariam a economia do setor naval brasileiro, sobre tudo em estaleiros, gerar empregos e fazer o Brasil subir no ranking nessa categoria, já que desde de 1980 o setor estava praticamente instinto

Agora imaginem, cada sonda custou US$ 360 milhões e o lance mínimo é de US$ 20 milhões, 360-20 = 340.  Essa matemática fez José Maria Rangel, ao qual coordena a FUP( Federação única dos Petroleiros) pirar literalmente, ressaltando que esse preço é baixo demais e agora não é o momento para se desfazer de nada

Segundo a Petrobras, esses valores são apenas virtuais com o objetivo de apenas dar ignição no leilão e que as sondas serão vendidas apenas se alcançarem um valor mínimo consensual. Mas adivinha só! Ela não quer dizer qual é esse valor.

Em 2013, as sondas foram recebidas pela Petrobras e ao inverso de navios-sonda, que podem trabalhar em lâminas d’água a partir de 1000 metros, a P-59 e P-60 só alcançam no máximo 106 metros de profundidade.

As sondas que estão sob licitação de venda são as P-3, P-10, P-16, P-23,P-59 e P-60. Todas essas trabalham apenas em águas de baixa profundidade. Algumas dessas já estão em estaleiros ao um bom tempo esperando serviço.

 

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Posted Under
Sem categoria

Sobre Paulo Nogueira

Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.