Início Pesquisadores desenvolvem barco robô movido a energia eólica e fotovoltaica que poderá viajar sem tripulação

Pesquisadores desenvolvem barco robô movido a energia eólica e fotovoltaica que poderá viajar sem tripulação

13 de setembro de 2020 às 09:49
Compartilhe
Siga-nos no Google News
energia eólica - mayflower - fotovoltaica
Barco movido a energia eólica – mayflower

O barco movido a energia eólica e fotovoltaica sem tripulantes pronto para navegar: o novo Mayflower parte para a travessia do Atlântico

Um barco robô movido a energia eólica e fotovoltaica tornará possível dispensar a tripulação. A verdadeira missão de pesquisa começará na primavera de 2021.

Leia também

O barco moderno movido à energia eólica e fotovoltaica

O épico da colonização americana está repleto de episódios lendários. Mas o mais famoso é, sem dúvida, a viagem do Mayflower, o veleiro que partiu de Plymouth, no Tâmisa, para trazer 102 Pilgrim Fathers à costa de Massachusetts.

Quatrocentos anos depois, em 16 de setembro, outro Mayflower deve levantar âncora do porto britânico de Plymouth, mas desta vez não será um veleiro. Em vez disso, é um obot, um veículo de superfície não tripulado (Usv) de 15 metros de comprimento com uma tonelagem de 5 toneladas e movido por uma combinação de energia eólica e fotovoltaica, com um motor a diesel a bordo apenas para fins de backup.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Utilizando o poder da tecnologia para combinar com a boa e velha energia eólica com a fotovoltaica

O novo Mayflower é resultado de um projeto da Promare, ONG britânica de pesquisa oceanográfica, e foi construído graças a um consórcio de parceiros internacionais entre eles a IBM, que desenvolveu a parte necessária de inteligência artificial, nuvem e computação de ponta para o sistema de navegação.

Na próxima semana haverá apenas uma exposição de demonstração, à espera do primeiro cruzeiro real do novo Mayflower, previsto para a primavera de 2021 e com duração de seis semanas, com o objetivo de realizar uma série de amostragens e testes de qualidade científica. das águas marinhas.

Gerenciar uma campanha de pesquisa oceanográfica, observam os criadores do projeto, custa uma fortuna, tanto em termos de pessoal usado quanto de combustível. Por outro lado, o navio autônomo poderá concentrar em apenas 15 metros os equipamentos que podem ser transportados por um barco de 60 metros equipado com tripulação, com consumo 100 vezes menor e sem impacto ao meio ambiente, uma vez que o mesmo utilizará uma combinação de energia eólica e fotovoltaica.

Relacionados
Mais recentes