Obras da UPGN do Comperj correm risco de não serem finalizadas pelo consórcio Kerui-Método

Roberta Souza
por
-
12-05-2020 10:20:49
em Indústria e Construção Civil
obras, comperj, petrobras, rio de janeiro obras, comperj, petrobras, rio de janeiro

Em carta enviada para seus fornecedores pelo consórcio, há pedidos de renegociação, reagendamento dos pagamentos e de desculpas

Em carta enviada aos seus fornecedores das obras da UPGN do Comperj pelo consórcio Kerui Método, há pedidos de renegociação, reagendamento de pagamentos e ainda de desculpas pelos problemas gerados pelo mau desempenho do consórcio. A empresa explicou que a pandemia do coronavírus estava atrapalhando o seu fluxo de caixa e comprometendo os pagamentos.

Veja ainda outras notícias:

O pedido do envio da carta foi feito pelo gerente responsável pela obra, da Petrobras, que convivia com os atrasos seguidos, dificultando o desempenho da obra no Comperj (dentro da própria estatal, já não se acredita que o consórcio possa concluir a obra).

Para resolver o problema, pode ser que seja escolhida as empresas mais bem classificadas na licitação para a construção da UPGN. Seguem abaixo os nomes e os valores propostos pelos participantes:

1º – Shandong Kerui – R$ 1.947.000,00;

2º – Fluor – R$2.284.738,00;

3º – Cobra/Qualiman – R$ 2.284.791,00;

4º – Tecnimont – R$ 4.246.175,00

Fornecedora de estrutura metálica, a Metasa, é uma das empresas que possivelmente passará por problemas para receber, tendo em vista o alto valor devido pelo consórcio. Não só ela, mas muitos outros fornecedores sofrerão com a interrupção do pagamento, gerando um grande impacto.

O contrato foi assinado no dia 28 de março de 2018, cinco meses depois do anúncio do vencedor e ainda informou que o valor do contrato ficaria em cerca de R$ 1,95 bilhão para construção da unidade, abaixo do que se esperava. Seis meses depois de negociação e mais atrasos nas obras, os valores voltaram para os mesmos do resultado da licitação.

A unidade faz parte do projeto Rota 3 para escoar a produção de gás natural do pré-sal da Bacia de Santos. O início das obras ocorreu no primeiro semestre de 2018 e a estimativa da época é que fossem finalizadas no segundo semestre deste ano, o que provavelmente não vai acontecer.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos