O primeiro FPSO definitivo do campo de Mero deve atingir pico de mais de 170 mil barris/dia

A previsão é que FPSO Guanabara (Mero 1) inicie a operação em abril de 2021 e atinja o pico de produção em 2022.

O primeiro FPSO definitivo do campo de Mero deve atingir um pico de produção no segundo ano de operação de mais 170 mil barris/dia de petróleo e 6 milhões de m³/dia de gás natural. A unidade terá capacidade total de processamento de 180 mil barris/dia.

O sistema está projetado para operar até 2048 no campo do pré-sal da Bacia de Santos. O sistema terá, ao todo, 17 poços, sendo nove produtores e oito injetores de água e gás (WAG).

A Petrobras já solicitou ao Ibama a licença de instalação do FPSO Guanabara que deve chegar na locação em janeiro de 2021 para início da ancoragem. A unidade, da Modec, está sendo construída na China.

Petrobras sanciona segunda fase do desenvolvimento do campo Mero

A Petrobras e seus parceiros tomaram a decisão de investimento para a segunda fase do projeto Mero (bloco Libra), localizado a 180 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, na área do pré-sal da Bacia de Santos no Brasil.

O Consórcio Libra é operado pela Petrobras (40%) como parte de uma parceria internacional, incluindo Total (20%), Shell (20%), CNOOC Limited (10%) e CNPC (10%). A Pré-Sal Petróleo (PPSA) gerencia o Contrato de Partilha de Produção de Libra.

Curva de produção do FPSO Guanabara (Mero 1)


Por- epbr

Venda da UFN3 da Petrobras para empresa russa, vai gerar 10 mil empregos em Mato Grosso do Sul

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica com ênfase em Automação , Inglês avançado e experiência na indústria de construção naval no estaleiro Brasfels (KeppelFells). Conhecimento dos processos de KPI, planejamento de tubulação, comissionamento e construção de drilling rigs, FPSO’s e reparos.