Empregados da Petrobras entram com ação contra privatizações

Empregados da Petrobras entram na justiça

Ação popular foi impetrada por representantes de entidades sindicais da Petrobras e BR distribuidora contra mudanças no estatuto da estatal

Depois de estar se mobilizando, com uma greve histórica, visando o acordo coletivo deste ano, agora foi a vez dos petroleiros entrarem em ação novamente. A 3ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, recebeu na última terça-feira (27/08), uma ação popular contra a decisão da Assembléia Geral Extraordinária do Conselho de Administração da Petrobras, que decidiu mudanças no estatuto, permitindo a venda da empresa somente com a aprovação do Conselho de Administração, visando, segundo o sindicato dos petroleiros facilitar o processo de venda das subsidiárias da estatal.

A ação pública se baseia na lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6404/76), que obriga, em caso de venda de controle acionário das empresas, a aprovação dos acionistas.

A Assembleia Geral Extraordinária do Conselho de Administração da Petrobras aprovou em abril mudanças no estatuto da companhia e desde então as entidades sindicais estão se mobilizando contra a medida.

Segundo os representantes do sindicato dos trabalhadores da Petrobras e da BR distribuidora, no dia seguinte da aprovação da mudança do estatuto, foi anunciada a venda de oito refinarias da estatal.

Segundo a Aragão Ferraro Advogados, assessoria jurídica responsável pela ação,  a alteração do estatuto visa que “Castello Branco e a Petrobrás se furtam ao controle público e social, e podem criar ou extinguir subsidiárias de uma forma mais simples. Tal medida atinge diretamente a privatização da empresa, que deve criar subsidiárias para vender, por exemplo, as refinarias”.

A ação

A ação popular foi protocolada sob o número 0212517-84.2019.8.19.0001  na 3ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, e foi impetrada pelo Coordenador Geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel, pelo Coordenador Geral do SindipetroNF, Tezeu Bezerra, e pela presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo do Estado do Rio de Janeiro (Sitramico/RJ), Ligia Deslandes.

Leia também ! Petrobras encomenda de empresa em Belo Horizonte 34 torpedos de ancoragem para o FPSO Mero 1 !

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Posted Under
Sem categoria