Dinheiro do pré-sal será usado para diminuir rombo do governo federal

pré-sal 52 bilhões governo rombo petrobras

Com os recursos previstos do pré-sal, a dívida da governo poderá diminuir de R$139 bilhões para R$ 87 bilhões

Os parte dos fundos do do pré-sal que serão arrecadados pelo governo no final do ano ( novembro) não serão gastos com nada mais além de amortizar gastos do governo federal. Em entrevista a Folha de S. Paulo, os atuais secretários do Ministério da Economia estimam que os valores angariados estarão na faixa de R$ 52 bilhões.

Agendado pelo governo, dia 6 de novembro o megaleilão poder prover uma injeção de mais de R$ 106 bilhões para o caixa de União, com a data do pagamento para antes do natal (2019). A distribuição ficará desta forma:

  • R$ 33,6 bilhões ficarão com a Petrobras
  • Estados e municípios terão R$ 10,5 bilhões cada um
  • R$ 52 bilhões para o governo federa

De acordo com o Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, estes recursos não poderão fazer parte da estimativa de gastos do Orçamento devido a este valores estarem a entrar quase na última semana de 2019. Já Waldery Rodrigues Júnior, secretário Especial de Fazenda disse: “Esse é disparado o maior evento fiscal deste ano. A cessão permite um alívio importante”. Os dois marcaram presença no evento feito pelo banco BTG Pactual.

O governo espera que estes recursos do pré-sal façam a divida da união cair de R$139 bilhões para R$ 87 bilhões, sendo ele abatido do objetivo de subtrair o déficit primário.

Sobre os Leilões do pré-sal

Serão oferecidas pelo governo 4 grandes área de exploração descobertas pela Petrobras, mas estas mesmas ultrapassam as áreas oferecidas a estatal, as operadores que arrematarem estes ativos terão que ser oneradas, comummente chamada de “Cessão Onerosa“.

Segundo a Firjan, espera-se que mais de meio milhões de empregos no setor de petrolífero brasileiro sejam gerados até 2027. Entendam mais sobre este métricas, estatísticas da instituição aqui.

Curso de Salvatagem + HUET

Paulo Nogueira

About Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, com experiência no setor O&G em empresas nacionais e internacionais.