Coronavírus faz Petrobras e Vale perderem em seis horas R$ 30 bi em valor de mercado

Coronavírus faz Petrobras e Vale perderem em seis horas R$ 30 bi em valor de mercado

Os efeitos do coronavírus impacta economia global; ações ligadas a commodities como Petrobras e Vale pederam bilhões em valor de mercado.

Somadas, Vale e Petrobras já perderam R$ 30 bilhões desde a abertura do pregão, às 10h desta segunda. O prejuízo  deve-se a incertezas em relação ao impacto do avanço do coronavírus na China e na economia mundial. Muitas vagas de emprego offshore em Macaé pela multinacional de petróleo e gás Weatherford neste dia, 27de janeiro

Leia também

Os efeitos do coronavírus impacta economia global. As ações das empresas ligadas a commodities listadas no Ibovespa (índice de referência da Bolsa de São Paulo) como Petrobras e Vale perderam bilhões em valor de mercado.

A Vale, que tem na China um dos seus principais compradores de minério de ferro, já perdeu R$ 15,2 bilhões. A Petrobras, por sua vez, já registrou perdas de R$ 14,5 bilhões.

Outras empresas de commodities registram forte queda hoje. Gerdau PN cai 7,15%, Usiminas PNA (-6,28%) e Gerdau Metalúrgica PN (-6,17%).

Nesta segunda, a Organização Mundial da Saúde (OMS) corrigiu a avaliação que tinha feito a respeito do coronavírus. Agora, o órgão internacional acredita que o risco da doença é alto tanto para a China quanto para o mundo.

O mercado começa a questionar de que forma a doença pode impactar a capacidade de crescimento da China e do mundo.

Grande parte desse temor surge por conta das futuras medidas que Pequim pode adotar para conter o vírus. Por ora, já suspendeu as comemorações de Ano Novo, estendeu o feriado e fechou cidades onde o vírus tem foco de transmissão:

O receio sobre eventuais fechamentos de portos e aeroportos, o que consequentemente atrapalharia a dinâmica da economia como um todo, é o que preocupa o mercado.

Desde o início das notificações de coronavírus, em 3 de janeiro deste ano, a Vale acumula uma perda de R$ 16,3 bilhões. A Petrobras, R$ 26,8 bilhões.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Flavia Marinho

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore offshore