BRF e AES Brasil fecham parceria para a construção de novo parque eólico no Rio Grande do Norte

Roberta Souza
por
-
18-08-2021 13:12:49
em Energia Renovável
Parque eólico – construção – Rio Grande do Norte Parque eólico/ Fonte: CicloVivo

Com a construção do novo parque eólico, a BRF destacou que o empreendimento atenderá cerca de um terço de suas necessidades energéticas no Brasil

Ontem, terça-feira (17 de agosto), a AES Brasil Energia e a companhia de alimentos BRF, anunciaram a formação de uma joint venture com controle compartilhado para a construção de um parque eólico para autogeração no Complexo Eólico Cajuína, no estado do Rio Grande do Norte. O empreendimento terá capacidade instalada de 160 MWm, gerando 80 MWm a serem comercializados com a BRF por meio de contrato de compra e venda de energia de 15 anos. Veja ainda esta notícia: Construção de parque eólico na Paraíba irá gerar 600 empregos e investimentos devem chegar a R$ 1 bilhão

A construção do novo parque eólico, no estado do Rio Grande do Norte

O Complexo Eólico Cajuína, no estado do Rio Grande do Norte, cujo potencial do cluster é de até 1,5 GW. O acordo envolve o investimento em um parque de 160 MW de capacidade, o equivalente a 92 MW médios de energia assegurada. O investimento estimado de aproximadamente R$ 825 milhões.

O fornecimento de energia para a BRF será de 80 MW médios comercializados por meio de um contrato com prazo de 15 anos a ser firmado entre a joint venture e a produtora de alimentos.  A BRF disse que investirá diretamente o valor aproximado de R$ 80 milhões, a ser desembolsado durante o desenvolvimento do projeto, com início das operações previsto para 2024. As obras da construção do novo parque eólico deverão ser iniciadas já no último trimestre deste ano e contará com máquinas da Nordex Acciona na plataforma de 5,x MW cada unidade.

O projeto está nos parâmetros de sustentabilidade da BRF

O Projeto da construção do parque eólico, no Rio Grande do Norte, está em consonância com a Visão 2030, com a Política de Sustentabilidade da Companhia e com compromisso de se tornar Net Zero em emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2040, tanto em suas operações como em sua cadeia produtiva. Com essa parceria, a Companhia atenderá cerca de um terço de suas necessidades energéticas no Brasil, e evolui com sua meta de chegar a 2030 com mais de 50% da matriz energética proveniente de fontes renováveis e limpas, além de mitigar riscos de escassez de abastecimento e operar com custos mais competitivos.

Segundo o diretor de Relacionamento com o Cliente da empresa, Rogério Jorge, a geradora é a majoritária nessa participação. A BRF é minoritária na JV recém-anunciada. O executivo destaca que as conversas sobre o projeto no parque eólico iniciaram há cerca de dois anos, até porque a fabricante já está no portfólio de clientes da geradora, e agora tornou-se sócia nesse empreendimento.

Leia ainda esta notícia: Construção de novo parque eólico no Rio Grande do Norte contará com investimento de R$ 600 milhões de empresa de energia

Bons ventos trazem mais um empreendimento para o Rio Grande do Norte. O parque de energia eólica Anemus, que possui capacidade instalada de 138,6 MW e deve entrar em operação comercial no primeiro trimestre de 2022 no estado potiguar, irá receber investimento para sua construção da empresa 2W Energia.

Foi anunciado ontem (06) que a companhia 2W Energia estruturou uma operação financeira junto ao Darby Overseas Partners e o BTG Pactual para a emissão de debêntures de infraestrutura para captar R$ 600 milhões para o projeto eólico. O projeto de construção do parque de energia eólica no RN será implantado com recursos próprios da 2W Energia combinados com um financiamento mezanino de US$ 30 milhões com o Darby e uma debênture de mercado, segundo Claudio Ribeiro, CEO da 2W Energia.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos
fwefwefwefwefwe