Austrália, China e EUA rejeitam acordo e não assinam compromisso para eliminar o uso de carvão nas próximas décadas

Valdemar Medeiros
por
-
11-11-2021 11:09:57
em Indústria e Construção Civil
Australia-China-e-EUA - carvão A China é o maior consumidor de carvão no mundo, com cerca de 5 bilhões de toneladas por ano | Foto: Agência Envolverde




A Austrália, China e os EUA se recusam a se juntar às 40 nações eliminando o uso de carvão, dizendo que isso não vai ‘acabar com as indústrias’  

EUA, Austrália e China destacaram que a demanda por carvão deve prevalecer em alta até meados de 2030. Entre as questões que estão sendo discutidas por quase 200 países está um novo compromisso com a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius, fazendo com que os países revejam seus esforços climáticos com mais frequência, para aumentar a pressão por cortes mais profundos e apoio financeiro para as nações pobres. Limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius poderia reduzir pelo menos alguns dos impactos futuros mais catastróficos das mudanças climáticas que os cientistas dizem que já estão começando a se manifestar.

Leia também

Recuo de carvão

No início da conferência, mais de 40 países se comprometeram a eliminar o uso de carvão em décadas. A Austrália, no entanto, junto com alguns outros grandes usuários de carvão, como China e Estados Unidos, não aceitaram.

“Nós dissemos muito claramente que não estamos fechando minas de carvão e não estamos fechando usinas de energia movidas a carvão”, disse o ministro australiano de Recursos, Keith Pitt, à emissora nacional ABC.

Defendendo a decisão da Austrália, Pitt disse que a Austrália possui um dos carvões de melhor qualidade do mundo. “E é por isso que continuaremos a ter mercados por décadas no futuro. E se eles estão comprando … bem, nós estamos vendendo.”

Demanda de carvão deve aumentar, informa ministro

A Austrália é um dos maiores produtores mundiais de carvão e gás natural, mas também tem sofrido com secas, inundações e incêndios florestais cada vez mais extremos nos últimos anos.

O governo do primeiro-ministro Scott Morrison divulgou uma meta de emissões líquidas zero para 2050 no mês passado, mas o plano foi criticado por falta de detalhes e por depender fortemente de avanços tecnológicos ainda desconhecidos. O Conselho de Minerais da Austrália, que representa grandes mineradoras como a BHP e a Rio Tinto, disse que uma meta de 2050 é alcançável por meio de investimentos significativos em tecnologia.

Pitt acrescentou que cerca de 300.000 empregos australianos dependem do setor de carvão. O próprio Conselho de Minerais da Austrália afirma que a indústria do carvão emprega diretamente 50.000 trabalhadores, enquanto mantém outros 120.000 empregos.

Especialistas apontam uma queda na venda do carvão dos EUA, China e Austrália

Mas a vontade de investir no setor de carvão da Austrália, China e EUA está diminuindo. O Financial Times relata que a BHP chegou a um acordo para desinvestir até US $ 1,35 bilhão de duas minas de carvão na Austrália, enquanto a maior mineradora do mundo continua se retirando dos combustíveis fósseis. De acordo com o jornal, a empresa está vendendo sua participação de 80% na BHP Mitsui Coal, que opera as minas de carvão metalúrgico South Walker Creek e Poitrel em Queensland, para Stanmore Resources, uma mineradora australiana júnior.

“À medida que o mundo se descarboniza, a BHP está intensificando seu foco na produção de carvão metalúrgico de alta qualidade, procurado por siderúrgicas globais para ajudar a aumentar a eficiência e reduzir as emissões”, disse Edgar Basto, chefe da divisão da mineradora na Austrália. Questionado sobre se os acordos significam o fim do carvão à vista, Angus Taylor – o ministro da redução de emissões da Austrália – disse que o foco do governo “não é eliminar as indústrias”.

“Trata-se de reduzir o custo das tecnologias de baixa emissão e garantir que essas tecnologias de baixa emissão possam atender aos australianos e aos nossos clientes em todo o mundo”, disse ele em Glasgow.

“Forneceremos os produtos de que nossos clientes precisam para reduzir suas emissões ao longo do tempo. Isso não pode acontecer durante a noite, vamos ser claros sobre isso. Há um caminho sensato aqui, a Austrália fará parte dele. ”  

Sites Parceiros

Publicidade




Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.