Início Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, Estados Unidos trabalharam com 30 outros países para liberar 60 milhões de barris de petróleo das reservas em todo o mundo para frear preço e estabilizar o mercado internacional

Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, Estados Unidos trabalharam com 30 outros países para liberar 60 milhões de barris de petróleo das reservas em todo o mundo para frear preço e estabilizar o mercado internacional

3 de março de 2022 às 08:42
Compartilhe
Siga-nos no Google News
petróleo - preço - Brent - Estados Unidos - eua - oil
EUA-Estados Unidos preço Petróleo – oil Brent

O barril do Brent ultrapassou a barreira de US$ 110 ontem (02/03) e o WTI subiu mais de 5% em meio à escalada dos preços do petróleo devido à invasão à Ucrânia

Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, que vem trazendo instabilidade no mercado internacional, os Estados Unidos, como parte de um esforço internacional para estabilizar e frear o preço do barril do petróleo, irão liberar 30 milhões de barris, disse o presidente Joe Biden na última terça-feira (01/03).

Leia também

“Os Estados Unidos trabalharam com 30 outros países para liberar 60 milhões de barris de petróleo das reservas em todo o mundo. Os Estados Unidos irão liderar esse esforço, liberando 30 milhões de barris”, anunciou Biden ao Congresso em seu primeiro discurso do Estado da União, acrescentando que Washington está “pronta para fazer mais, se necessário”.

O barril do Brent ultrapassou a barreira de US$ 110 nesta quarta-feira e o WTI subiu mais de 5% em meio à escalada dos preços do petróleo devido à invasão à Ucrânia.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

O Brent subiu 4,88%, a US$ 110,09, e o WTI 5,06%, a US$ 108,64. Em ambos os casos, é o preço mais alto em mais de sete anos.

Preços da gasolina e do diesel podem despencar e ficar até R$ 3,00 mais barato caso Senado e Congresso criem fundo com lucros obtidos pelo governo com a alta do dólar e do petróleo para subsidiar reajuste dos combustíveis

Preços do litro da gasolina e do diesel podem despencar para R$ 4,00! O Senado deve discutir a partir de fevereiro uma solução para conter a disparada nos preços dos combustíveis, que atualmente sofre disparadas constantes. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, anunciou no dia 17 de janeiro que submeterá ao colégio de líderes o PL 1.472/2021, que cria um programa de estabilização do preço do petróleo e derivados no Brasil. Se houver concordância dos líderes, o projeto entrará na pauta do Plenário.

“Submeterei à avaliação do Colégio de Líderes no início de fevereiro. A intenção é pautar. O senador Jean Paul Prates será o relator e está se dedicando muito ao tema”, informou Pacheco.

O impacto desse pacote de subsídios pode acarretar em uma diminuição de até R$ 3 no diesel e na gasolina, e de até R$ 20 no botijão de gás de 13kg em um período de até 40 dias, a partir da aprovação do poder Executivo ou do Presidente da República.

Deve ser criada uma “conta de compensação” com fundos de lucros obtidos pelo governo com a “alta excepcional do dólar e do petróleo”, a fim de garantir o preço internacional para o refinador e para o importador

PL 1.472/2021, do senador Rogerio Carvalho (PT-SE), foi aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em dezembro de 2021 e contém medidas para amortecer os impactos dos aumentos do preço do barril de petróleo e conter a alta nos preços dos combustíveis. O projeto foi aprovado na forma de um substitutivo (texto alternativo) do senador Jean Paul Prates (PT-RN).

O texto, segundo Jean Paul, é baseado em três pilares: além de criar um programa de estabilização, com a finalidade de reduzir a volatilidade dos preços de derivados de petróleo, cria uma nova política de preços internos de venda a distribuidores e empresas comercializadoras de derivados do petróleo produzidos no Brasil. Leia a matéria completa aqui.

Relacionados
Mais recentes