Apesar dos lucros impressionantes da Petrobras, sua dívida ainda é alta

Apesar dos lucros impressionantes da Petrobras, sua dívida ainda é alta

março 6, 2019 Off Por Paulo Nogueira

Para cada segmento de negócios em que a Petrobras recua, uma nova oportunidade se abrirá para investidores privados

A estatal brasileira de petróleo, Petrobras,  informou seus ganhos anuais na semana passada e os resultados impressionaram. Para começar, a empresa ganhava dinheiro. Depois de quatro anos de enormes prejuízos, baixas contábeis e prejuízos financeiros relacionados ao escândalo de corrupção Lava Jato, a Petrobras obteve um lucro em 2018 de US $ 6,9 bilhões.

Isso se compara a 2017, quando foi de US $ 123 milhões no vermelho, assim como a 2015, quando a Petrobras foi forçada a atrasar o lançamento de suas demonstrações financeiras auditadas por meses, ao tabular a longa lista de baixas contábeis relacionadas à Lava Jato. Posteriormente, ele registrou uma perda de US $ 8,1 bilhões naquele ano, a maior de todos os tempos.

Fluxo de caixa livre e lucro ajustado antes de juros, impostos, depreciação e amortização foram recordes. É importante ressaltar que a Petrobras cortou uma carga enorme de sua dívida. A dívida líquida, até recentemente a mais alta de todas as companhias de petróleo, diminuiu 18% de 2017 para US $ 69,4 bilhões, e caiu 30% em relação ao ponto mais baixo de 2015, quando sua dívida era de US $ 100 bilhões.

A empresa não está sem problemas. Apesar dos cortes, sua dívida ainda é enorme. Operacionalmente, a produção de petróleo e gás diminuiu cinco por cento ano a ano. E embora pelo menos o peso da Lava Jato pareça estar no passado, com bilhões de dólares  pagos, a investigação está ativa e em andamento. A polícia federal brasileira, em conjunto com autoridades dos EUA, abriu recentemente uma nova fase da investigação que está investigando pagamentos indevidos de traders que compram e vendem commodities da Petrobras.

Mas os resultados da Petrobras recuperando sua casa financeira são sem dúvida encorajadores. Eles refletem um foco em seu negócio principal de produção de petróleo e gás em águas profundas. Comprometer-se com essa abordagem abre oportunidades atraentes para os investidores estrangeiros preencherem onde a Petrobras está querendo recuar. É um começo propício para um Brasil que está promovendo um comércio mais aberto e promovendo melhores condições de investimento sob um novo presidente.

Pré-sal nos horizontes em águas profundas

O futuro da Petrobras está inextricavelmente ligado ao pré-sal do Brasil, os enormes reservatórios de petróleo em águas profundas presos sob camadas de sal sob o fundo do oceano. O tamanho dos recursos é tão grande e seus custos operacionais tão competitivos que é do interesse da Petrobras se concentrar em seu desenvolvimento. A produção de petróleo e gás no pré-sal já representa quase três quartos da produção total da Petrobras. Os custos médios de produção da empresa, segundo o novo presidente-executivo, Roberto Castello Branco, são de apenas US $ 10 por barril. Por comparação aproximada, os custos de produção dos projetos de xisto dos EUA – considerados entre os jogos de petróleo mais atraentes do mundo, juntamente com o pré-sal do Brasil – têm uma média igual ou superior a US $ 30 por barril.

Quaisquer ativos que não estejam diretamente vinculados à exploração e produção de petróleo e gás do pré-sal estão, teoricamente, à venda, sugeriu repetidamente a administração da companhia. Blocos de petróleo em terra e águas rasas, oleodutos, infraestrutura de transmissão de gás e refinarias, entre outros ativos, foram oferecidos ao mercado e geraram bilhões de dólares em recursos. As vendas e desinvestimentos preenchem um papel duplo de permitir que a Petrobras se concentre em seu compromisso básico com o pré-sal enquanto paga suas dívidas. De fato, apesar da menor produção total de petróleo em 2018, o ano lucrativo da Petrobras foi auxiliado pela redução dos pagamentos de juros sobre sua dívida, embora os preços mais altos do petróleo e a depreciação do real em relação ao dólar também tenham desempenhado grande papel.

As vendas de ativos ganharão uma nova vida sob Castello Branco, que indicou que a Petrobras vai avançar com um plano de desinvestimento em negrito. Entre os ativos valorizados para o desinvestimento está o negócio de gasoduto natural, que opera a infraestrutura em todo o sudeste densamente povoado do Brasil. Em uma teleconferência anual com investidores, Castello Branco deixou claro que deseja que a Petrobras reduza significativamente sua participação na capacidade nacional de refino dos atuais 98% para menos de 50%. A idéia por trás do desinvestimento é que o petróleo do pré-sal produzido competitivamente pela Petrobras pode ser vendido a refinarias privadas a preços competitivos.

Petrobras abre caminho para investimento privado

Estes devem ser sinais encorajadores para a indústria privada de que o Brasil está mantendo sua abertura para investimentos em energia. Para cada segmento de negócios em que a Petrobras recua, uma nova oportunidade se abrirá para investidores privados. Essa adoção de um cenário energético competitivo e voltado para o mercado pode, pelo menos, amenizar as preocupações e fornecer algumas indicações iniciais sobre a direção da política industrial nos primórdios da administração de Jair Bolsonaro.

Abertura do setor de energia do Brasil

A abertura do setor de energia do Brasil estava em debate nas eleições do ano passado. Bolsonaro tinha sido mercurial em aberturas de mercado no passado e, como membro do Congresso, repetidamente votou a favor da manutenção do monopólio da Petrobras na produção de petróleo e gás. Ele também nunca se concentrou verdadeiramente na economia como sua questão central, em vez disso, em uma plataforma de lei e ordem. A aparente indiferença à economia e sua delegação de todas as coisas econômicas a Paulo Guedes como czar das finanças expôs a questão de qual escola influenciaria o setor energético brasileiro: a ortodoxia pró-mercado de Guedes ou a tendência nacionalista das facções militares que vêem o controle estatal de ativos estratégicos como energia e infra-estrutura como no interesse nacional.

No início da presidência de Bolsonaro, o status quo da administração anterior de mercados abertos de energia Temer vis-à-vis os desinvestimentos da Petrobras está ganhando. É uma política de fortalecimento da Petrobras, mantendo-a enxuta e focada em sua força principal – exploração e produção do pré-sal – e oferecendo parcerias e oportunidades de investimento estrangeiro para alcançar isso.

Licitação em Brasília

Para os observadores da América Latina, é a abordagem oposta àquela adotada pelo novo presidente de outro grande produtor de energia. O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, está impulsionando uma política de fortalecimento da estatal Pemex, consolidando seu monopólio e fechando o México a oportunidades de investimento para empresas internacionais de energia. A Pemex – que registrou uma perda de US $ 7,6 bilhões em 2018 – teve seu rating de crédito rebaixado recentemente para um degrau acima do status de junk devido à pesada carga tributária e operacional.

Os recursos de petróleo e gás no México e no Brasil são abundantes o suficiente tanto para as empresas estatais de petróleo quanto para os investidores estrangeiros. O governo do Brasil, por exemplo, está se preparando para realizar um mega leilão no final de 2019 para volumes excedentes de petróleo do pré-sal para os quais a Petrobras tem direitos exclusivos de desenvolvimento, mas são mais do que a empresa pode arcar no momento. Se e quando for aprovado, espera-se que seja um dos maiores leilões públicos para investidores internacionais, com direitos de bombeamento de até 15 bilhões de barris de petróleo recuperável no leilão, assim como o potencial de gerar até US $ 100 bilhões assinatura de bônus para o governo federal brasileiro.