ANP aprova compra dos campos de Wahoo e Itaipu pela PetroRio, no pré-sal, na Bacia de Campos

Roberta Souza
por
-
21-06-2021 08:28:40
em Petróleo, Óleo e Gás
ANP – Bacia de Campos – petróleo Plataforma de petróleo/ Fonte: Portos e Navios

A PetroRio divulgou que a ANP aprovou a cessão das participações de 35,7% de Wahoo e de 60% de Itaipu, ambos no pré-sal da Bacia de Campos

A PetroRio informou na última semana, através de fato relevante, que a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP, aprovou a cessão das participações de 35,7% no Bloco BM-C-30, ou Campo de Wahoo, e de 60% no Bloco BM-C-32 (ou Campo de Itaipu) para a PetroRio, que se torna a operadora de ambos os campos de pré-sal, localizados na Bacia de Campos. Veja ainda: Produção de petróleo do pré-sal na Bacia de Santos alcança mais um recorde histórico no Brasil, segundo dados da ANP

Operação nos campos de petróleo no pré-sal da Bacia de Campos

Com a aprovação da ANP, a PetroRio se torna a operadora de ambos os campos, localizados no pré-sal. A companhia afirma que espera criar um segundo cluster de produção pela interligação de Wahoo a Frade, “dando sequência à estratégia de otimização operacional dos seus ativos”.

O início de operações do campo de Wahoo, no pré-sal da Bacia de Campos, aprovado pela ANP, está previsto para 2024. O campo possui aproximadamente 125 milhões de barris, além de 7 milhões de barris a serem adicionados ao campo de Frade com a extensão.

Em comunicado, a companhia diz que, com a transação, visa a criação de um segundo cluster de produção através da interligação (tieback) de Wahoo a Frade, dando sequência à estratégia de otimização operacional dos seus ativos.

Veja ainda: Novo acordo é firmado entre ANP e governo do RJ para ampliar a fiscalização sobre a produção de óleo e gás

Na segunda-feira (14/06), o governo do Rio de Janeiro e a ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – fecharam um acordo de cooperação para ampliar a fiscalização do pagamento de royalties e participações especiais sobre a produção de óleo e gás no estado.

Em nota à imprensa, o governo do Rio de Janeiro esclarece que o acordo com a ANP define parâmetros para melhorar a metodologia de fiscalização das receitas compensatórias da exploração de óleo e gás no Rio. A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-RJ) estima que o estado do Rio de Janeiro pode ter perdido cerca de R$ 10 bilhões, nos últimos dez anos, em arrecadação de participações especiais.

A execução do convênio entre a ANP e o governo do Rio de Janeiro cumpre uma determinação do Superior Tribunal Federal (STF) e ocorre em meio à atuação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instaurada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), em março, sobre a queda na arrecadação das receitas do petróleo registrada no início de 2021. No primeiro bimestre, a arrecadação estadual de royalties e PEs totalizou R$ 2,57 bilhões, cerca de R$ 800 milhões a menos do que o apurado em igual período de 2020.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos