Siderúrgica investe R$ 25 milhões e retoma atividades no Mato Grosso do Sul

Roberta Souza
por
-
30-08-2021 12:54:55
em Indústria e Construção Civil
Siderúrgica – Mato Grosso do Sul Unidade da Vetorial Siderurgia/ Fonte: Notícia de Mineração

A siderúrgica Vetorial retomou a produção de ferro-gusa no município de Ribas do Rio Pardo, no estado do Mato Grosso do Sul

A Vetorial, empresa que atua nos setores de mineração, siderúrgica e reflorestamento, retomou no último sábado (dia 28), a produção de ferro-gusa, na unidade localizada no município de Ribas do Rio Pardo, no estado do Mato Grosso do Sul. A siderúrgica investiu cerca de R$ 25 milhões, criou por volta de 120 postos de trabalhos nos meses de recuperação das instalações e agora segue gerando empregos e renda na região. Veja ainda esta notícia: Uma das maiores siderúrgicas do país, Ternium contrata mecânico, eletricista, operador de produção, técnico e mais, para vagas de emprego no Rio de Janeiro

A retomada de produção da siderúrgica na unidade, no estado do Mato Grosso do Sul

O alto-forno da siderúrgica agora em operação irá produzir 237 mil toneladas/anualmente de ferro-gusa, gerando 194 novos postos de trabalho e provocando ainda fortes impactos na cadeia produtiva, em particular na silvicultura e carbonização. Com as atividades paralisadas desde o ano de 2014 em função da forte retração do mercado doméstico e internacional com relação ao ferro-gusa, e ainda por conta da instabilidade econômica nacional, a Vetorial Siderurgia retoma as atividades com equipamentos de alta performance que garantirão elevada produtividade e rigoroso controle ambiental e de segurança de seus colaboradores.

A usina da siderúrgica, no estado do Mato Grosso do Sul, conta com geração própria de energia elétrica, condição na qual é pioneira, pois foi a primeira usina siderúrgica a implementar essa tecnologia no Brasil, ainda na década de 1990. A usina possui também moderna planta de PCI (injeção de finos de carvão pulverizado), que faz o aproveitamento de todos os finos de carvão gerados no processo de produção. Com filtros modernos, a emissão de poluentes nesta nova fase de atividades foi sensivelmente reduzida, o mesmo ocorrendo com a produção de ruídos.

A reinauguração da unidade

Na última semana, diretores da usina siderúrgica e profissionais envolvidos na revitalização da planta, juntamente com o prefeito de Ribas, João Alfredo Danieze, visitaram as instalações. Estiveram presentes o presidente do Conselho do Grupo Vetorial, Gustavo Trindade Correa, o presidente da Vetorial Siderurgia e Vetorial Mineração, Luiz Nagata, Mário Sousa, diretor de operações da Vetorial Siderurgia e Edimilson Jésus Ribeiro, superintendente da usina, dentre outros profissionais.

Confira ainda esta notícia: Multinacional siderúrgica anuncia aportes de 1,6 bilhão de reais e geração de 750 empregos no estado de São Paulo

O Grupo Simec, siderúrgica multinacional mexicana, anunciou novo projeto de expansão para a usina de Pindamonhangaba, no estado de São Paulo. A siderúrgica informou que pretende dobrar a produção e gerar 750 novos empregos na unidade. O grupo mexicano prevê investimento de 300 milhões de dólares, o que corresponde a cerca de R$ 1,6 bilhão, para dobrar a produção de vergalhões e fio-máquina.

De acordo com a siderúrgica, a previsão de início das obras no projeto de expansão é para este ano, o que possibilitaria o início da nova capacidade produtiva em 2023. Para a obra, a expectativa é que sejam gerados 3 mil empregos temporários e assim que a expansão estiver pronta, 750 empregos diretos no estado de São Paulo. A expansão da siderúrgica em São Paulo, possibilitará dobrar a capacidade de reciclagem da usina de 625 mil toneladas/ano para 1,25 milhão tonelada/ano, dobrando assim toda sua produção de vergalhão em barra e rolo e fio máquina.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos
fwefwefwefwefwe