Produção de petróleo pode cair a zero na Venezuela

Paulo Nogueira
por
-
05-09-2020 08:01:37
em Petróleo, Óleo e Gás
Venezuela Petróleo Opep produção

A Venezuela já foi responsável por 1/10 da produção global de petróleo e um dos países mais prósperos da America Latina

A Venezuela outrora considerada um dos países prósperos da América Latina, acabou mergulhando no abismo. Anos de má gestão econômica, clientelismo e corrupção desencadearam um colapso econômico monumental que viu o país rico em petróleo, se tornar um dos mais pobres da América do Sul. Estão surgindo sinais de que a Venezuela está prestes a se tornar um Estado falido. O petróleo desempenha um papel dominante na Venezuela, sendo responsável por quase todas as receitas de exportação e uma proporção significativa do produto interno bruto. 

Há muito tempo a Venezuela era responsável pela produção de um décimo do petróleo mundial. Há pouco mais de duas décadas, a Revolução Bolivariana da Venezuela começou quando Hugo Chávez venceu as eleições presidenciais de 1998 e foi formalmente empossado em fevereiro de 1999. Ele imediatamente apresentou uma nova constituição com foco no estabelecimento de uma economia estatal, reforma agrária, a redistribuição da riqueza e usando a vasta riqueza do petróleo do país para financiar extensos programas sociais. Quando Chávez assumiu o poder, a Venezuela, que possui as maiores reservas mundiais de petróleo, totalizando 298 bilhões de barris, era um dos países mais prósperos da América Latina. 

Dados do Banco Mundial mostram em 1999 que a Venezuela teve produto interno bruto real de US $ 98 bilhões, ocupando o quarto lugar na América Latina, atrás do Brasil, México e Argentina. A Venezuela também foi um dos países mais ricos da região, com PIB per capita de US $ 4.127, colocando-o em sexto lugar. O PIB per capita do país rico em petróleo em 1999 foi significativamente maior do que muitas potências econômicas regionais atuais, sendo 19% maior do que o Brasil e quase o dobro da vizinha Colômbia devastada por conflitos.

Desde então, a economia da Venezuela entrou em colapso com a estimativa de que o PIB de 2019 foi apenas US $ 70 bilhões ou 29% menor do que duas décadas antes, mas o PIB da Colômbia quase quadruplicou nesse período para US $ 324 bilhões. As perspectivas para o país profundamente empobrecido são austeras. O  Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que o PIB da Venezuela cairá 15% durante 2020 e encolherá outros 5% em 2021. As principais razões para esta rápida desintegração são o colapso da indústria petrolífera economicamente vital da Venezuela, preços do petróleo drasticamente mais baixos e sanções americanas progressivamente mais severas. 

O petróleo é responsável por 25% do PIB da Venezuela e, de acordo com a OPEP, responde por 99% ou quase todas as exportações em valor. Foi em 2015 quando a produção de petróleo economicamente vital da Venezuela começou a cair em espiral.

Isso foi inicialmente desencadeado pelo colapso do preço do petróleo, que começou em meados de 2014, com a expansão da oferta global em um ritmo rápido por causa da produção crescente dos EUA, diminuição dos riscos geopolíticos e aumento da produção de petróleo da OPEP. Em 2016, à medida que os preços do petróleo enfraqueciam ainda mais e a crise econômica da Venezuela crescia como uma bola de neve, os gastos vitais na manutenção crucial da infraestrutura e das operações do petróleo despencaram. 

Quando combinado com uma saída maciça de mão de obra qualificada devido à má gestão, demissões por motivos políticos e um clima econômico cada vez pior, tornou-se claro que a indústria de petróleo da Venezuela estava em declínio terminal. Isso está sendo exacerbado pelo aumento constante das sanções dos EUA destinadas a isolar Caracas dos mercados de capitais globais e impedir o acesso a ativos para forçar a mudança de regime. As consequências econômicas são imensas, fazendo com que a Venezuela mergulhe ainda mais na crise e que Caracas não pague sua dívida externa em novembro de 2017.

Foi no início de 2019, quando Juan Guaidó se declarou presidente interino com apoio dos Estados Unidos, que o jogo final para a derrotada indústria do petróleo da Venezuela havia chegado. Washington impôs sanções adicionais a Caracas, com a mais significativa visando especificamente a indústria de petróleo da Venezuela e a PDVSA. O objetivo é evitar que o regime de Maduro tenha acesso aos ativos venezuelanos mantidos em jurisdições estrangeiras, bem como aos mercados financeiros internacionais. Essas sanções paralisantes dos EUA também estão impedindo que as grandes petrolíferas offshore operem na Venezuela, recentemente forçando a Chevron a encerrar as operações e impedindo Caracas de vender seu petróleono exterior. Isso impede que o regime de Maduro tenha acesso ao capital urgentemente necessário para reparar e manter a infraestrutura de petróleo vital e realizar as atividades de desenvolvimento necessárias para manter a produção de petróleo. Mesmo a intervenção russa , incluindo a concessão de empréstimos, conhecimentos técnicos e outros recursos cruciais, não conseguiu revitalizar as operações. Isso essencialmente sinaliza a sentença de morte para a indústria de petróleo, economicamente crucial, mas atingida, da Venezuela.  

Em julho de 2020, a Venezuela produziu uma média diária de 339.000 barris de petróleo em comparação com 755.000 um ano antes e quase um sétimo da década anterior:

Fonte: Relatório Mensal do Mercado de Petróleo da OPEP ( MOMR ).

A perspectiva continua ruim, especialmente se a contagem de plataformas for usada como parâmetro na indústria de petróleo venezuelano. No final de julho de 2020, de acordo com Baker Hughes , não havia plataformas de petróleo ativas na Venezuela e apenas uma plataforma de gás natural em operação. Isso é comparado a um total de 25 sondas operacionais no mesmo período do ano anterior e 70 sondas uma década antes.

Fonte: Baker Hughes .

É importante observar que ainda existem sondas operando na Venezuela que não foram capturadas pela Baker Hughes porque sua contagem exclui sondas de ferramentas de cabo, sondas montadas em caminhões muito pequenos ou sondas que não podem operar sem uma licença. Por esta razão, a petroleira nacional PDVSA contesta regularmente a precisão dos dados da Baker Hughes e continuará bombeando petróleo, embora provavelmente em níveis minúsculos.

Os analistas preveem que a produção de petróleo da Venezuela pode cair a zero até 2021. A consultoria da indústria IHS Markit estima que a Venezuela está bombeando cerca de 100.000 a 200.000 barris diários e que a produção continuará caindo. A tempestade perfeita de preços do petróleo muito mais fracos, colapso econômico e sanções dos EUA podem promover a queda de um grande produtor global de petróleo e membro fundador da OPEP. Embora seja possível uma recuperação da produção de petróleo, ela está um pouco longe por causa do imenso capital, da mão de obra qualificada e da infraestrutura que ela necessita.

O impacto sobre a já falida economia da Venezuela será imenso, levando a uma fome ainda maior em um país que já se recupera de uma grande crise econômica. Teme-se que o Estado venezuelano possa implodir, criando ainda mais instabilidade em uma região marcada por décadas pelo conflito assimétrico entre vários atores estatais e não-estatais armados.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.