Primeiro campo petrolífero descoberto no largo da costa do Senegal

Senegal petróleo descoberta
 

Parceiros no campo de SNE, no offshore do Senegal, submeteram o plano de desenvolvimento e exploração ao governo com a aprovação almejada ainda este ano

A Joint Venture engloba a Cairn como operadora atual com 40% de Working Interest (WI) juntamente com os parceiros Woodside 35% WI, FAR Ltd 15% WI e a Senegal National Oil Company, Petrosen 10% WI (a Petrosen tem o direito de aumentar seu patrimônio para 18% no desenvolvimento).

A australiana Woodside ganhou a entrada no projeto SNE em 2016 depois de comprar uma participação de 35% da ConocoPhillips. Em 2017, a Woodside tornou-se líder de desenvolvimento para o SNE Field Development-Phase 1, com planos de transição para o operador dos blocos RSSD que contêm o campo SNE durante 2018.

Cairn disse na quinta-feira que a Woodside já exerceu sua opção de se tornar a operadora do desenvolvimento do campo de SNE. O trabalho já está em andamento para facilitar a transferência da operadora, que agora está sujeita apenas ao consentimento do governo.

Primeiro óleo em 2022

O plano de desenvolvimento e exploração descreve todo o desenvolvimento multifásico de petróleo e gás. O campo será desenvolvido em uma série de fases com planos para cerca de 500 milhões de barris de petróleo (mmbbl) e produção bruta de 100.000 barris de petróleo por dia (bopd) com o primeiro óleo direcionado em 2022. Após o estabelecimento da produção de petróleo, comercial as vendas de gás ao Senegal devem começar.

As respostas do concurso para a instalação do FPSO e a infra-estrutura submarina de suporte foram recebidas e estão sendo avaliadas e estão prontas para o Front End Engineering Design (FEED) planejadas ainda este ano. Em paralelo com o trabalho detalhado de engenharia, um estudo de Avaliação de Impacto Ambiental e Social foi submetido ao Comitê Técnico Nacional.

A apresentação do plano coincide com a abertura hoje da conferência MSGBC para a indústria de petróleo e gás em Dakar, Senegal.

A diretora administrativa da FAR, Cath Norman, disse: “A apresentação do plano de desenvolvimento para o SNE é um grande marco para a nossa empresa. Desde a descoberta do PND há quatro anos, a FAR participou em mais três descobertas de petróleo no Senegal e perfurou com sucesso 7 poços de avaliação do PND a uma taxa de sucesso de 100% para os 11 poços. O SNE foi a maior descoberta de petróleo do mundo para 2014 e, mais importante, o primeiro campo de petróleo offshore descoberto nas margens do Senegal. ”

Norman acrescentou: “Estamos ansiosos para ver este progresso no desenvolvimento do primeiro óleo em 2022 e primeiro gás em cerca de 2024”.

Arbitragem da FAR

Vale ressaltar que a FAR objetou a venda de 2016 da participação de 35% da ConocoPhillips para a australiana Woodside, alegando que a conclusão da transação entre a ConocoPhillips e a Woodside estava sujeita aos direitos dos parceiros de antecipar e à aprovação do governo do Senegal.

Portanto, a FAR em junho de 2017 fez um pedido à Câmara de Comércio Internacional em Paris para iniciar um processo de arbitragem para resolver a disputa atual do Joint Operating Agreement em relação ao direito da FAR de antecipar a venda do interesse da ConocoPhillips no Rufisque, Sangomar e Sangomar Deep Joint Venture offshore no Senegal.

A FAR informou na época que o processo de arbitragem e a estrutura de custos deveriam levar menos de um ano para ser concluído, com o custo esperado para a FAR em cerca de US $ 1 milhão.

Após a nomeação do presidente do tribunal em abril de 2018, as partes resolveram os termos de referência e os respectivos documentos processuais.

No final de julho deste ano, a FAR disse: “As indicações atuais são de que é improvável que uma audiência final na arbitragem ocorra antes do segundo semestre de 2019, aguardando que as partes formalizem suas respectivas posições e passem por várias audiências prévias. procedimentos ”.


Maior docagem já realizada pela Wilson Sons Estaleiros

The following two tabs change content below.
Paulo Nogueira
Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás como técnico de operações, Pressure Downrole Gauge Operator e em plataformas de completação do Brasil e exterior