Presidente da Petrobras quer fim da Partilha e do conteúdo local nos contratos de exploração

Políticas de conteúdo nacional e fim da partilha na Petrobras

Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras, declarou que medidas não foram eficazes nos últimos anos e não contribuem para a busca da eficiência

Ao participar de um evento, nesta terça-feira (20/08), no Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, declarou que é a favor do fim do regime de partilha que atualmente é obrigatório para a exploração e produção de petróleo nos campos do pré-sal, bem como do fim do conteúdo local que obriga as petroleiras a cumprir percentuais de contratação de materiais e equipamentos no Brasil. Em busca de redução de custos Petrobras vai fechar sua base no Edinc em Macaé.

Segundo ele as medidas não estimulam a a busca da eficiência e nem colaboram para melhoria da competitividade das indústrias nacionais.
“Deveria se eliminar o chamado polígono do pré-sal (área definida pelo governo que engloba os campos no pré-sal entre as bacias de Santos e Campos), e deixar o governo decidir em que áreas aplicar o regime de concessão ou de partilha. O regime de partilha, assim como o conteúdo local, retira o estímulo para eficiência, quem decide o que é melhor para a empresa não é a sua administração e, sim, as normas estabelecidas por burocratas. o regime de partilha não leva à eficiência, declarou o presidente da Petrobras.

Segundo Castello Branco a ANP melhorou as regras, mas o conteúdo local ainda influencia as petroleiras e que na sua opinião se a indústria nacional é competitiva, não necessita de proteção e completou: “Se a indústria local é boa, não precisa de nada, não precisa que se obrigue as empresas petroleiras a demandarem seus produtos. Se ela não é eficiente depois de 22 anos da Lei do Petróleo, é hora de acabar com isso, porque não adiantou nada. Se 22 anos não foi suficiente para as empresas aprenderem alguma coisa, a serem competitivas, quem não se preparou, paciência. Não pode a indústria do petróleo pagar por isso”.

Redução de custos

Com dívidas na casa dos US$ 101 bilhões, a Petrobras continua seu programa de redução de custos. Alguns escritórios estão sendo fechados e os imóveis (alugados) sendo entregues.
Assim como aconteceu no Edinc (em Macaé) que está em processo de desmobilização e no Edisp (em São Paulo), que já foi fechado, desta vez, uma visita do presidente Castello Branco ao prédio da Petrobras em Vitória, no Espírito Santo, na última segunda-feira, fez com que o presidente pensasse em mais corte de custos.

“É um prédio bonito, moderno, fiquei surpreso. Temos pessoal de primeira trabalhando lá, mas nos custa R$ 176 milhões por ano. O prédio está na região mais valorizada de Vitória, melhor tecnologia, vidros importados da Bélgica, tem vidro à vontade, e persianas que se fecham automaticamente. Mas isso pesa muito no custo da companhia. Nossa busca contínua é a redução de custos”, declarou ele.

O presidente da Petrobras ainda lembrou que esta política austera se deve aos anos de assaltos de uma “organização criminosa” pelo qual passou a companhia, claramente se referindo aos casos de corrupção revelados pela operação lava-jato.

Leia também ! Petrobras recebe apenas duas ofertas pela Liquigás, distribuidora de GLP !

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Click Petróleo e Gás.

Renato Oliveira

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)