Presidente da Petrobras informa que BR Distribuidora não paticipará da concorrência por refinarias

 

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse nesta quarta-feira, 8 de maio, em coletiva de imprensa no Rio de Janeiro, que a BR Distribuidora “não participará de nenhum processo de compra de refinarias”.

A afirmação de Castello Branco, presidente da petroleira foi feita em coletiva de imprensa no Rio de Janeiro, um dia após a divulgação do balanço da estatal, que teve lucro de R$ 4 bilhões no primeiro trimestre. Segundo o presidente, a companhia ainda não definiu o modelo de venda da participação da Petrobras na BR Distribuidora. Ainda assim, Castello Branco afirmou que a BR não participará de nenhum processo de compra de refinarias. “Não faz sentido. Seria uma operação como se dizia no passado de Zé com Zé”.

No dia anterior, 07 de maio, em teleconferência de resultados com analistas, o  presidente da BR, Rafael Grisolia, disse “Uma decisão, obviamente, de BR ter participação em refinarias a gente ainda vai olhar. É claro que, como distribuidor, a gente tem o dever de olhar isso de diversos ângulos, isso a gente vai estar fazendo sempre. Decisões futuras, temos que olhar todas as condições para frente”.

Castello Branco reforçou que o plano de desinvestimentos da companhia segue com foco imediato na venda de refinarias. O presidente comentou ainda o interesse da empresa em vender 8 de suas 13 refinarias. “A Petrobras tem como objetivo vender 100% das refinarias listadas. Simples assim”, afirmou.

Sobre os investimentos da estatal, o presidente disse que há possibilidade de revisão do que foi proposto no plano da companhia, que previa US$ 16 bilhões em 2019. O valor, segundo ele, pode ter sido superestimado.

De acordo com ele, o foco da companhia é buscar as áreas de melhor desempenho e empregar os recursos no que for necessário para garantir os resultados de crescimento. “Nós queremos que a Petrobras seja mais forte, mais saudável. Tem pessoas que divulgam a impressão de que a Petrobras vai ficar menor e de que estão fazendo um desmonte da Petrobras. Isso é um chavão. Não, a Petrobras está fazendo a gestão de portfólio. Estamos desinvestindo de ativos que não achamos tão interessante e estamos investindo em ativos que achamos muito interessantes. Temos um programa para investir, no mínimo, US$ 84 bilhões de dólares ao longo dos próximos cinco anos. Não vamos desinvestir US$ 84 bilhões de dólares. Significa que a companhia vai crescer, vai se tornar maior em bases mais fortes e mais saudáveis”, apontou.

O diretor executivo de Exploração e Produção, Carlos Alberto Pereira de Oliveira, disse que com a entrada em funcionamento de sete plataformas nos últimos 11meses é possível notar o crescimento da produção. No primeiro trimestre de 2019 a empresa registrou 2,5 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), em abril passou para 2,6 milhões boed e em maio já está em 2,7 milhões boed. “Isso é importante, Temos uma meta de produção para cumprir. Este ano vamos entregar em 2,8 milhões de barris de óleo equivalente por dia. Estamos mantendo esta meta com base nessa perspectiva do crescimento da produção que estamos começando a realizar”, contou.

Castello Branco adiantou que a divulgação da produção de petróleo e gás não será mais feita mensalmente. A companhia vai esperar o fechamento do trimestre para tornar público os números. “Ela será feita em bases trimestrais e não mais mensalmente, primeiro porque dados mensais costumam apresentar grande volatilidade e depois porque é um padrão global. Não queremos ser diferentes”, pontuou.

Petrobras fará investimento de US$ 27 bilhões no pré-sal e US$ 20 bilhões no pós-sal

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica com ênfase em Automação , Inglês avançado e experiência na indústria de construção naval no estaleiro Brasfels (KeppelFells). Conhecimento dos processos de KPI, planejamento de tubulação, comissionamento e construção de drilling rigs, FPSO’s e reparos.