Petrobras e mais 6 petroleiras estrangeiras estão de olho no leilão da cessão onerosa

Sete petroleiras de olho no leilão

Petroleiras participaram das discussões públicas sobre o pré-edital de um dos maiores leilões da história a ser promovido pela ANP ainda este ano

O leilão dos excedentes da cessão onerosa Um dos leilões mais aguardados pelo mercado segue mobilizando a Petrobras e as petroleiras estrangeiras Total, ExxonMobil, CNOOC, BP, Shell e Petrogal.
As petroleiras estão participando ativamente das discussões do pré-edital da licitação, cujo ponto mais polêmico é de como será feito o pagamento à Petrobras de forma a compensá-la pelos investimentos já feitos nos blocos exploratórios da cessão onerosa.

O mega leilão é uma licitação que faz parte do acordo da cessão onerosa, por este acordo de 2010, Petrobras e União concordaram que a Petrobras pagaria pelo direito de explorar 5 bilhões de barris, do Pré sal, na Bacia de Santos.
O excedente seria a parcela que seria leiloado e pertenceria á Petrobras. Esse é o acordo que se tem que chegar, pois não estava previsto tal situação no contrato (as reservas de petróleo se confirmaram bem mais altas que as previsões).

A Petrobras, além de receber a compensação pelos investimentos já realizados na área, tem ainda para receber cerca de R$ 106 bilhões em bônus de assinatura.
Segundo o pré-edital da licitação, as vencedoras assinarão um acordo de coparticipação com a petroleira brasileira nos campos de Búzios, Atapu, Itapu e Sépia, na Bacia de Santos.

Sugestões das petroleiras

Entre as principais sugestões propostas na rodada de discussões do pré-edital, está a da ExxonMobil, que sugeriu que o bônus de assinatura seja pago em duas parcelas, a primeira quando for assinado o contrato de partilha da produção, prevista para março de 2020, e a segunda na data da assinatura dos contratos de coparticipação.

Já o posicionamento da chinesa CNOOC, também é o de só efetuar o pagamento do bônus à assinatura, a assinatura do contrato de coparticipação.
A chinesa quer pagar o bônus 15 dias depois, de forma a não impactar o fluxo de caixa da empresa.

O certo é que as petroleiras e a Petrobras tem até o 2021 para chegar a um acordo sobre o pagamento.

Veja também ! Campos de Peroá e Cangoá são os alvos da vez do plano de desinvestimentos da Petrobras, que venderá também sua participação na nova descoberta de Malombe.

Renato Oliveira

About Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)