Operações de pelotização de minério de ferro da Samarco reiniciam cinco anos após desastre

Valdemar Medeiros
por
-
25-12-2020 11:59:13
em Indústria e Construção Civil
Politização - minério de ferro - Samarco Operações de politização na Vale

A BHP e a Vale confirmaram que sua joint venture Samarco negociou o reinício das operações de politização de minério de ferro no Brasil, mais de cinco anos depois que o rompimento da barragem de Fundão levou à sua suspensão.

A retomada gradual das operações da Samarco incorpora o concentrador 3 no complexo de Germano em Minas Gerais e a planta de pelotização de minério de ferro 4 em Ubu, no Espírito Santo, além de um novo sistema de disposição de rejeitos combinando uma cava confinada e sistema de filtragem de rejeitos para empilhamento a seco.

Leia também

Mineradora Samarco não usará agua em seu processo

Com o novo processo de filtração, a Samarco espera ser capaz de desidratar substancialmente os rejeitos de areia, que representam 80% do total de rejeitos em volume, e empilhar com segurança esses rejeitos de areia filtrada em pilhas, afirma a Vale. Os 20% restantes dos rejeitos devem ser depositados na mina de Alegria Sul, uma estrutura autônoma de base rochosa. Além disso, a Samarco avança no descomissionamento da barragem de rejeitos de Germano para melhorar os padrões de segurança.

“Testes independentes foram realizados sobre os preparativos da Samarco para o reinício seguro das operações”, acrescentou BHP.

7 a 8 mil toneladas de minério de ferro

A Samarco espera produzir inicialmente cerca de 7 a 8 Mt / ano de pelotas de minério de ferro com o uso de um dos três concentradores para beneficiar o minério de ferro do complexo de Germano e uma das quatro usinas de pelotização do complexo de Ubu, representando 26% da capacidade produtiva da Samarco . A Vale explicou: “O reinício integrado das operações ocorre após um extenso teste de comissionamento, garantindo uma retomada segura após cinco anos.”

Após a Licença de Operação Corretiva recebida em outubro de 2019, a Samarco espera poder reiniciar um segundo concentrador em cerca de cinco anos para atingir uma faixa de produção de cerca de 14-16 Mt / ano. A reinicialização do terceiro concentrador pode acontecer em cerca de nove anos, disse a Vale, quando a Samarco espera atingir um volume de produção em torno de 22-24 Mt / ano.

O extenso trabalho realizado pela Fundação Renova, uma colaboração entre Vale, BHP Billiton Brasil Ltda e Samarco, para remediar e compensar os danos da ruptura da barragem de Fundão em novembro de 2015, continua, disse a BHP. A fundação é responsável pela execução de programas de reparação dos impactos socioambientais.

Em novembro de 2020, a Renova havia gasto aproximadamente $ 2,1 bilhões em seus programas de remediação e compensação. Em novembro de 2020, cerca de US $ 620 milhões foram pagos em indenizações e ajuda financeira de emergência para aproximadamente 325.000 pessoas.

Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.
fwefwefwefwefwe