Mais de mil contratos Petrobras: Sondas, Aeronaves, Floatels e embarcações de apoio

Paulo Nogueira
por
-
25-07-2020 21:12:52
em Petróleo, Óleo e Gás
Petrobras contratos Sondas, Aeronaves, Floatel e embarcações de apoio (2) Imagem para fins ilustrativos apenas, não representam unidades ou projetos da Petrobras

Análise financeira dos contratos de afretamento da Petrobras e adequação de custos com foco no pré-sal

Em Abril deste ano, a Petrobras informou que renegociaria alguns contratos a fins de adequar o orçamento em função da pandemia, com foco em FPSOs, PLSVs, navios-sonda, Floatels e embarcações de apoio.

Eis o motivo: até meado de maio, os mais de 1000 contratos de afretamento totalizavam certa de US$ 110 bilhões, mais parcelas de R$ 33 bilhões, € 731 milhões e Kr 297 milhões (coroas norueguesas); e mesmo a maioria sendo de embarcações de apoio, o maior peso na carteira vem das plataformas: somam cerca de US$ 63 bilhões. O mais caro deles é da FPSO Campos dos Goytacazes, na casa dos US$ 5 bilhões.

Abaixo, mais dados financeiros do cenário de contratos Petrobras

  • Sondas: 47 contratos – US$ 30,5 bilhões + R$ 14 bilhões + € 715 milhões;
  • Embarcações de Apoio: 709 contratos – US$ 14 bilhões + R$ 17 bilhões+ € 17 milhões + Kr 297 milhões, destes US$ 5 bilhões + R$2 bilhões são contratos com PLSVs e US$ 718 milhões com o gaseiro Golar Winter;
  • Floatels (UMSs): 4 contratos – US$ 381 milhões;
  • Aeronaves – 214 contratos – US$ 742 milhões + R$ 2,1 bilhões.

Apesar da pandemia, tudo parece estar dando certo no upstream, contando com a resiliência das fretadoras e foco nas atividades do pré-sal.

Petrobras vende plataformas antigas e fatura mais de 140 milhões de dólares

A Petrobras vendeu ontem, 24 de julho, em leilão três plataformas de petróleo fora de operação para o mesmo comprador pelo valor total de 1,45 milhão de dólares: P-15, P-12 e P-7. Mais detalhes técnicos sobre esta transação é possível conferir aqui.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.