Guedes diz que se fosse presidente da Petrobras demitiria grevistas

Guedes greve Petrobras

Ministro da Economia diz que se fosse presidente da Petrobras demitiria grevistas. Para  Guedes, paralisar as atividades para conseguir benefícios é “imprudente”.

Nesta segunda-feira, 25 de novembro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que se fosse o presidente da Petrobras e a empresa fosse privada, demitiria os funcionários que entraram em greve nesta semana. A greve foi anunciada na semana passada e envolve 12 dos 13 sindicatos filiados à FUP.

De acordo com Guedes, é “imprudente” que funcionários usem do mecanismo de greve para se beneficiar de uma empresa como a Petrobras, e que as pessoas deveriam ter evitado e protestado contra o esquema de corrupção que, destruiu a petroleira.

— Todos os sinais (econômicos) melhorando e greve na Petrobras. Só porque melhorou, querem greve? É empresa pública ou privada? É Estado e Bolsa. Uma greve importante, demite as pessoas e contrata outras pessoas que queiram trabalhar. Estou surpreso. Se eu fosse presidente de uma empresa… tem coisas que eu não quero falar.

— Você tem excelentes salários (na estatal), bons benefícios, você tem quase estabilidade de emprego e tenta usar o poder político para tentar extrair aumento de salário no momento em que há desemprego em massa? Se fosse uma empresa privada e eu fosse o presidente de uma empresa privada, eu sei o que eu faria.

O ministro afirmou em seguida, que o governo não estuda demissões nem privatização da Petrobras e que estava dando sua opinião como economista.

“Eu estou dizendo o que eu faria, mas não tenho nada a ver com a Petrobras. Estou dizendo que, se estou (na presidência) de uma empresa que está na Bolsa, é privada, foi destruída e, agora que começa a melhorar, fazem greve para extrair ganhos só pela pressão? Num país que tem milhões de desempregados, você tem empresa quase com estabilidade de emprego, eu demitiria.”, disse Guedes.

“Não sei o que houve com os salários deles (nos últimos anos), mas sei que a Petrobras foi destruída. Eles estavam trabalhando lá, deviam ter evitado a destruição da Petrobras.” ele ainda acrescenta “Se você é um bom funcionário, você luta pelas coisas certas. Por que não houve uma greve para impedir o assalto?”.

Apesar de liminar contra a realização de greve, petroleiros de bases ligadas à Federação Única dos Petroleiros (FUP) pararam nesta segunda em protesto contra demissões e transferências de empregados. A mobilização levou o ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho) a multar e bloquear contas de sindicatos.

A entidade alega que a Petrobras descumpre acordo coletivo de trabalho ao promover programas de demissão incentivada e transferir empregados em negociação prévia com os sindicatos.

Flavia Marinho

About Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e experiente na indústria de construção naval. OBS: Não contratamos, então não envie currículos! Informações sobre empregabilidade apenas no site.