Fiat, GM, Volkswagen, Renault e Toyota são afetadas pela crise de peças automotivas e Brasil passa pelo pior momento de desabastecimento de insumos, diz Fenabrave

Valdemar Medeiros
por
-
08-10-2021 15:53:31
em Indústria e Construção Civil
Fiat-GM-Volkswagen-Renault-e-Toyota- peças automotiva - fenabrave Montadora anunciou a suspensão de contratos de 350 funcionários – Foto: Divulgação/GM

Fenabrave avalia que as montadoras foram gravemente afetadas com a falta de insumos. Fiat, GM, Volkswagen, Renault e Toyota precisam buscar alternativas para enfrentar a crise de peças automotivas no país    

A Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), anunciou na última segunda-feira (4), que reduziu a previsão do aumento de vendas da indústria automotiva para 11,1% em 2021, somando em torno de 3,37 milhões de unidades. Em julho deste ano, a previsão da Fenabrave era de uma alta em torno de 13,6%, ou mais de 3,45 milhões de veículos, se comparado a 2020, enquanto a estimativa do mês de janeiro era de um aumento de 16,6%, ou 3,54 milhões de unidades. Essa redução anunciada se deu pelo fato de que peças automotivas muito importantes estão em falta nas principais montadoras, o que resulta na paralisação das atividades industriais ao longo de todo o ano de 2020 até o início de 2021, tendo como causa principal, a pandemia do novo coronavírus.  

Leia também

Grave crise no reabastecimento de peças automotivas gera incerteza em fabricantes

De acordo com Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave, montadoras como Fiat, Toyota, Renault, GM e Volkswagen se deparam agora com um cenário de muitas incertezas, diante da maior crise de abastecimento de peças automotivas já vivida nos últimos tempos.

O baixo nível do estoque de componentes dentro de fábricas e montadoras geram também um pivô apontado para essa redução de cerca de 4,43% nas vendas no mês de setembro, se for comparado a agosto. Já em relação a setembro de 2020, a queda foi em torno de 14,37%. O total de veículos emplacados no fim de setembro de 2020 foi de apenas 281.054 unidades.

Alarico relata que somente nos primeiros meses de 2022 é que as montadoras terão mais clareza de observar as possibilidades de resolução deste grave problema. De acordo com a Fenabrave, no acumulado desde o início de janeiro deste ano, o emplacamento de veículos se mantém acima de 20%, porém segue sendo uma porcentagem abaixo do que era esperado.

Desafios no setor industrial para suprir demanda de peças automotivas

Com a falta de insumos, principalmente de modelos semicondutores, a indústria vem apontando esta situação como o maior desafio do ano para a recuperação do setor.

As maiores montadoras do mundo, que mantém algumas unidades no país, tais como a Fiat, GM, Volkswagen e Toyota, tiveram que recorrer ao interrompimento temporário da montagem de seus veículos, mediante a crise de desabastecimento das principais peças automotivas.

Indústria automotiva paralisada por falta de insumos

Em meados de agosto, a indústria automotiva do Brasil, informou que teve que deixar de fabricar cerca de 120 mil veículos logo no primeiro semestre de 2021, já pela falta de peças automotivas. Porém, a Fenabrave já havia alertado sobre o problema da falta de insumos, meses antes da crise se agravar.

No mês de março, a Fenabrave informou as montadoras e ao público em geral que a queda na produção de veículos poderia se estender a total suspensão de montagem de veículos no Brasil ao longo do ano, justamente pela falta de insumos e demais recursos.

Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.
fwefwefwefwefwe