Exportações de petróleo do Brasil atingem alta em 4 meses

Paulo Nogueira
por
-
18-03-2021 08:06:51
em Petróleo, Óleo e Gás
Exportações Petróleo Brasil alta Um petroleiro, Episkopi, é visto ancorado próximo ao vital terminal de petróleo de Al-Basra do Iraque/ Fonte: CBW

Em 2020, esperava-se que Guiana, Brasil e Noruega entregassem a maior parte do crescimento da produção não-OPEP e não-xisto, mas como a Covid-19 atingiu duramente o Brasil e alguns problemas técnicos perturbaram a produção de petróleo da Guiana e da Noruega, esses países entregaram muito menos do que o esperado.

Essa lacuna de crescimento da oferta deve ser parcialmente suprida em 2021, conforme destacado nos dois primeiros meses do ano. No entanto, fevereiro foi um pouco menor do que o esperado, novamente devido a alguns problemas de compressão de gás na Guiana.

Guiana novamente sofrendo com selo de compressão de gás 

As exportações da Guiana atingiram 102 kbd em fevereiro , menos do que o esperado e 10% abaixo do mês anterior, devido a um  selo de compressão de gás natural que já afetou a produção no ano passado . De acordo com a ExxonMobil, o problema ocorreu novamente no início de fevereiro e o conserto pode levar quase dois meses. A meta para o ano todo é atingir 109 kbd de acordo com o Ministério das Finanças, um pouco menos do que as expectativas iniciais (Liza Fase 1 pode produzir 120 kbd).

Como um lembrete, a ExxonMobil começou a produzir 32,1 ° API Liza crude no final de 2019 e prevê uma produção de 750 kbd até 2026 com dois projetos, Liza fase 2 e Payara, que devem entrar em operação aproximadamente no início de 2022 e 2024, respectivamente com 22 kbd cada. Em fevereiro, mais da metade das exportações guianenses foram para o Panamá (75 kbd), enquanto a Malásia, pela primeira vez, importou 37 kbd.

Brasil: exportações maiores de petróleo apesar de menos dos campos de Tupi e Búzios

No Brasil, as exportações marítimas de petróleo em fevereiro alcançaram 1,38 mbd,  alta de 4 meses após uma baixa recorde em dezembro de 1 mbd. Em relação a janeiro de 2021, as exportações aumentaram 17 kbd, mas ainda estão longe do recorde de abril de 2020 de 1,87 mbd. Por grau, Tupi (antigo Lula) é o principal com 438 kbd, seguido por Búzios (255 kbd) e Sapinhoa ​​(206 kbd) que quase dobrou em relação a janeiro. A China ainda foi o principal comprador com 593 kbd, mas muito menos do que em janeiro, onde importou 950 kbd. Por outro lado, e em menor proporção, Estados Unidos e Índia importaram mais petróleo brasileiro: 126 kbd e 90 kbd.

Com o aumento das exportações,  o ex-presidente do Brasil Lula da Silva foi libertado por decisão do Judiciário e destacou sua oposição a qualquer privatização , dizendo “Não descobrimos o pré-sal para exportar petróleo”. A decisão preliminar acelerou sua chance de ganhar as eleições no final de 2022.

Além disso, em fevereiro, a Petrobras assinou uma carta de intenções com a fornecedora holandesa de FPSO SBM Offshore para a entrega de um FPSO a ser implantado no campo de Búzios que será a maior unidade produtora de petróleo em operação offshore no Brasil, com capacidade de 225 kbd. A entrega está prevista para o segundo semestre de 2024.

Noruega: menos petróleo embarcado para China

Na Noruega, as exportações mais altas são impulsionadas pelo campo de Johan Sverdrup, que produziu mais de 462 kbd, já que as  exportações para todo o país atingiram 1,57 mbd, um pouco abaixo dos 1,72 mbd registrados em janeiro . O petróleo norueguês foi  enviado principalmente para a China (286 kbd) , Suécia (259 kbd) e Holanda (238 kbd). Nos últimos meses, a China comprou muito mais petróleo da Noruega, a quase 400 kbd em média.

A Noruega pode continuar a aumentar sua capacidade de produção nos próximos anos, já que a Equinor recentemente fez uma descoberta de petróleo estimada em 31-50 milhões de barris perto de seu complexo Johan Castberg no Mar de Barents.

Exportações marítimas diárias de petróleo saindo do Brasil, Guiana e Noruega

Volumes suavizados pela média móvel de 14 dias

Volume de exportações de petróleo do Brasil, Noruega e Guiana/ Fonte: Kpler

Fonte: Kpler

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.