Exportações brasileiras de milho saltam na colheita antecipada, safra abundante, preços competitivos

milho exportações brasil empregos mercosul

O Brasil, segundo maior produtor e exportador de milho do mundo depois dos EUA, está aumentando suas exportações rapidamente neste ano, em meio a uma safra interna forte e à expectativa de uma queda na produção de milho dos EUA.

A nação sul-americana exportou 2,4 milhões de toneladas de milho em maio-junho deste ano, o que é significativamente maior do que uma média de exportação de 343.415 toneladas durante o mesmo período nos últimos seis anos, de acordo com dados oficiais.

As exportações de milho do Brasil são geralmente as mais baixas no período de maio a junho. No entanto, a quantidade de milho exportada nos dois meses deste ano indica que os compradores estão buscando ativamente esse mercado alternativo.Além da produção recorde, uma colheita antecipada e preços mais altos do grão grosso nos EUA também são vistos empurrando as exportações do país sul-americano acima do seu ritmo habitual.

Vietnã, Japão e Coréia do Sul estavam entre os principais compradores de milho brasileiro durante este período, segundo dados do Ministério do Comércio Exterior do país.

Segundo a agência nacional de agropecuária do Brasil, a Companhia Nacional de Abastecimento, ou Conab, o país sul-americano deve produzir um recorde de 98,5 milhões de toneladas de milho em 2018-19, mas mesmo se levarmos em conta a produção maior, as exportações brasileiras de milho os últimos dois meses são consideravelmente maiores.

Quando a produção de milho do Brasil estava na alta anterior de 97,8 milhões de toneladas em 2016-17, as exportações de milho estavam em 873.200 toneladas no período de maio a junho de 2017.

O ano comercial de 2018-19 do Brasil, conforme definido pelo Departamento de Agricultura dos EUA, começou em março de 2019 e terminará em fevereiro de 2020.

Além disso, nas duas primeiras semanas de julho, as exportações de milho já atingiram 1,88 milhão de toneladas, enquanto as mesmas em todo o mês de julho de 2018 foram de 1,2 milhão de toneladas.

“Os EUA simplesmente não terão milho suficiente para cumprir a meta de exportação antecipada do USDA se a safra for tão curta quanto acreditamos. Isso exige que os compradores busquem suprimentos alternativos da Argentina, Brasil e Ucrânia”, disse Arlan Suderman, economista-chefe de commodities. com INTL FCStone Financial, disse.

É provável que os EUA produzam 352,44 milhões de toneladas de milho em 2019-20, em comparação com 366,29 milhões de toneladas em 2018-19, de acordo com os dados mais recentes do USDA World Agricultural Supply and Demand Estimates.

Além disso, os dados do USDA mostram que os estoques mundiais menos a China e os EUA cairão para apenas 37 dias de oferta em 2019-20, “o que é mais forte do que no início desta década, quando registramos preços recordes”, disse Suderman.

COLHEITA INICIAL NO BRASIL

Outro fator por trás do aumento das exportações brasileiras é a colheita antecipada de milho. Como resultado disso, muito milho está disponível no mercado.

A safrinha, ou segunda safra de milho no Brasil, normalmente é plantada entre fevereiro e março após a colheita da soja e a colheita começa entre julho e agosto.

Mas a colheita antecipada de soja este ano incentivou os agricultores a plantar milho safrinha em um ritmo recorde, várias semanas antes do normal e dentro da janela ideal de plantio.

“O principal motivo (para as altas exportações) está relacionado à colheita antecipada do milho segunda safra – apenas para colocar em perspectiva que Mato Grosso e Paraná iniciaram a safra em maio, atingindo 3,5% e 3% das áreas colhidas, respectivamente – normalmente, começa em junho “, disse Victor Ikeda, analista sênior do Rabobank Brasil. Isso resultou em um volume disponível de milho para exportação mais cedo do que na última temporada, acrescentou.

COMPETITIVIDADE DE PREÇO

Os preços competitivos do milho no Brasil também estão apoiando as maiores exportações do grão grosso, disseram participantes do mercado.

De acordo com Suderman, a principal razão pela qual os embarques brasileiros foram tão robustos este ano é o alto preço do milho norte-americano.

Problema de plantio no milho norte-americano com preços moderados do país acima das ofertas sul-americanas, disse ele.

As regiões de plantio de milho dos EUA foram atingidas pelo clima rigoroso durante a época de plantio de pico.

“A indústria de milho dos EUA antecipa uma safra curta este ano que ficará aquém da demanda antecipada no ano de comercialização de 2019-2020”, disse Suderman.

Reportagem: As vendas líquidas totais de exportação de milho nos EUA caíram 16% na semana, para 333.006 mt

Segundo o analista do Rabobank, Ikeda, os preços de exportação do milho brasileiro no porto de Parangua são 10% menores do que os do porto de Nova Orleans, nos EUA.



A alta recorde de produção no Brasil e na Argentina também deve manter os preços globais do milho sob pressão, de acordo com participantes do mercado.

“A produção mais alta nas histórias brasileira e argentina tem sido a principal razão que está limitando uma forte tendência de alta nos preços da CBOT”, disse Ikeda.
Ele acrescentou que não espera que os preços do milho na Bolsa de Chicago atinjam US $ 5 por bushel até agora, dado o aumento da produção na Argentina e o Brasil pode compensar parte do declínio das exportações dos EUA.
O contrato de milho na CBOT para o mês de setembro abriu em US $ 4,25 / bu na sexta-feira.

Sobre Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, com experiência no setor O&G em empresas nacionais e internacionais.