Estaleiros do Brasil podem perder 50 mil empregos até o final de 2018 se nada for feito

O presidente da Sinaval Sergio Bacci diz que a situação dos estaleiros é mais grave do que se imagina e o número de empregos pode chagar a ZERO até 2019, entendam e assistam o vídeo

Já é tradição do Sinaval desde de 2002, quando o presidente Lula aplicou seu primeiro programa eleitoral no estaleiro de Angra dos Reis, onde ele se comprometeu com a retomada da industria naval brasileira. A partir daquele momento, a Sinaval entendeu que seria importante dialogar em todas as eleições presidenciais com os candidatos, afim de mostrar a importância da indústria e o que ela representa para geração de empregos e renda. Este ano, a instituição esta elaborando um documento para todos os candidatos em 2018, para mostrar o que foi feito de 2000 à 2014( foram construídos 594 embarcações) e o que aconteceu de 2014 à 2016. Sergio Bacci diz que o problema não foi o mal feito, até porque ele se puni, o problema foi “quebrar a empresa”. Ele tem a intenção de mostrar o que pode acontecer nesta indústria daqui para frente.

Estaleiros serão competitivos apenas daqui à 10 anos

O Brasil precisa voltar a ser competitivo, para isso os estaleiros do país precisa de uma demanda de construções estáveis de embarcações para que seja viável disputar mercado internacional e oferecer melhores preços aos demandantes, naturalmente isto se consegue apenas com aprendizado, investindo em tecnologia e mão de obra.

A Petrobras é essencial para este setor

A Petrobras tem uma papel importante neste setor simplesmente porque ela é a principal demandante de serviços navais no país. Não adianta acharmos que a Shell ou a Exxon irão construir no Brasil, até porque existe muita mão de obra barata no mundo a fora e como mesmos parâmetros de construção, este papel fica à cargo da Petrobras, principalmente por ela ser uma estatal. A falta de fundos de investimentos viáveis também é um fator que vem atrapalhando a alavancagem, como por exemplo o Fundo da Marinha Mercante e o Fundo garantidor, que por questões burocráticas e taxativas não estão sendo viáveis no momento, apesar da SETE Brasil estar com progresso em negociações com a Petrobras usando uma destas modalidades.

Situação atual dos estaleiros e perspectivas

Ao longo dos últimos 60 anos, esta indústria teve momentos muitos felizes. A partir dos anos 2000, iniciaram-se construções de embarcações da apoio marítimo também, gerado cerca de 82 mil empregos diretos e 320 mil indiretos na ramo naval no final de 2014, emfim, a indústria estava em pleno vapor. Hoje em dia até “hoje”, foram perdidos cerca de 52 mil empregos, e se nada ocorrer nos próximos meses ou até o final de 2019, teremos um número muito próximo a zero. Pessoas, instituições e sindicatos( sim é verdade) estão trabalhando para que isso não aconteça e que as obras sejam retomadas o mais rápido possível. Vejam o vídeo aqui.

 

Baixem o nosso aplicativo para Android, notícias e vagas de empregos na palma da mão com atualizações diárias, sempre focado em processos seletivos reais e com fontes de alta credibilidade. O app é leve e economiza muitos dados móveis, já que a maioria de nossos leitores acessam as nossas matérias em dispositivos móveis. Temos catalogo de produtos, cursos relacionados, empresas que estão contratando, dicas, vídeos e interação entre os usuários. BAIXEM AGORA NA PlayStore CLICANDO AQUI.
The following two tabs change content below.
Paulo Nogueira
Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás como técnico de operações, Pressure Downrole Gauge Operator e em plataformas de completação do Brasil e exterior
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.