Estado do Espírito Santo atrairá 20 empresas graças as mudanças no setor de óleo e gás

Espírito Santo no foco

Investimentos nos próximos 10 anos no estado do Espírito Santo farão o estado mudar de patamar segundo levantamento da Findes

A Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), através do Fórum Capixaba de Petróleo e Gás, está prevendo que o estado receba, nos próximos 10 anos, cerca de 20 novas empresas. A Petrobras tem o ES como um dos principais estados produtores.
O principal motivo do otimismo nos números vem das atuais mudanças que vêm ocorrendo nos setores de petróleo e gás.

O levantamento da Findes mostra ainda que o estado do Espírito Santo atraia investimentos de aproximadamente R$ 10 bilhões que ajudarão na retomada de seu crescimento, graças a política de barateamento do gás natural pelo governo federal.
E não é só o a indústria offshore está atraindo a atenção dos investidores, o recente lançamento do programa de revitalização da produção onshore também já atraiu a atenção.

Segundo o coordenador do fórum, Durval Vieira de Freitas, “Estamos atraindo para cá uma empresa americana de exploração de petróleo em terra. É algo bem adiantado”, frisou o coordenador do fórum, Durval Vieira de Freitas.

Dois principais motivos

O programa recém lançado pelo governo federal, Novo Mercado de Gás, do governo federal, e a recém-criada Companhia de Gás do Espírito Santo (ES Gás) devem atrair negócios como produção de cerâmica, siderúrgica a gás, mineradora, fábrica de vidro e termelétricas.

A Nova empresa ( ES Gás) , começou a operar oficialmente com a nomeação de Heber Resende para presidência da companhia. Nesta Assembleia ocorrida segunda-feira, 22 de julho, foi aprovado o capital social inicial da companhia com participação da Petrobras Distribuidora em 60,34 % do capital total e 49% de ações ordinárias.
O contrato que o governo de Estado do Espírito Santo assinou com a ES Gás foi de 25 anos de concessão.

A ES Gás é quem vai contribuir para que o Estado saia na frente em pontos regulatórios que serão imprescindíveis para a queda no preço do combustível e para destravar US$ 10 bilhões em investimentos, aproximadamente R$ 38 bilhões.
Um dos pontos mais importantes da regulamentação, é a previsão do consumidor livre, aquele que utiliza grande volume de gás em seu parque industrial e que terá a liberdade de construir um gasoduto até a rede da ES Gás.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Click Petróleo e Gás.

Renato Oliveira

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)