Embraer, a terceira maior fabricante de jatos do mundo, constrói pista exclusiva de terra para testar o maior avião já feito no Brasil, o gigante cargueiro militar C-390

Flavia Marinho
por
-
28-07-2021 09:04:24
em Indústria e Construção Civil
O maior avião já feito no Brasil, o gigante cargueiro militar C-390 / Imagem Embraer

Área de testes aberta pela Embraer fica ao lado da pista de asfalto da unidade Gavião Peixoto, onde fica a linha de montagem do gigante jato militar C-390

O gigante cargueiro militar C-390 entra na fase de testes. A novidade é que, para realizar as avaliações do jato bimotor, a maior fabricante de jatos do Brasil, a Embraer, construiu uma pista de terra de 1.800 metros nos últimos dias, paralela à existente na unidade de Gavião Peixoto.

Leia também

A Embraer liberou um interessante vídeo com uma compilação de lindas imagens referentes a cada uma das metas de certificação e marcos conquistados até agora pelo maior avião já projetado na história da indústria aeronáutica do Brasil, o C-390 Millennium.

Veja a seguir a gravação

A demonstração de capacidade em qualquer ambiente é fundamental para convencer potenciais clientes do gigante jato militar

O C-390 Millennium é um concorrente do Lockheed Martin C-130 Hercules que oferece como principais vantagens uma velocidade de cruzeiro superior graças ao motores turbofan V2500 e uma carga paga também maior que o famoso turboélice.

No entanto, a aeronave da Embraer é frequentemente confrontada com supostas limitações em relação ao seu desempenho, como em certos regimes de vôo em baixa velocidade ou operação em pistas não preparadas por conta da ingestão de detritos nos motores.

Por razões como essa, a demonstração de capacidade em qualquer ambiente é fundamental para convencer potenciais clientes do C-390 Millennium a fecharem acordos com a Embraer, além, é claro, de cumprir os requisitos de certificação.

Brasil, Portugal e Hungria já encomendaram à Embraer a aeronave C-390

O programa do C-390 passa por um revés bastante significativo com o anúncio de que a Força Aérea Brasileira reduzirá sua encomenda de 28 aeronaves, por conta de restrições orçamentárias. Além disso, a FAB afirmou que deverá estender o cronograma de entregas.

O governo brasileiro, no entanto, ainda não revelou quantos aviões permanecerão sob contrato, mas cogita-se que o pedido seja cortado em torno da metade.

Além do Brasil, apenas Portugal (5 aeronaves) e Hungria (2 aviões) encomendaram o C-390 até o momento.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe