Crise em Macaé: 630 comércios fecharam de janeiro até maio de 2017

Crise em Macaé 630 comércios fecharam de janeiro até maio de 2017

Comerciantes sofrem com a crise em Macaé e são obrigados a demitir e fechar portas por falta de movimento.

A crise em Macaé não afetou apenas as empresas offshore, ela também chegou as micro-empresas e autônomos em uma espécie de efeito cascata. Os estabelecimentos comerciais de Macaé  vivenciam os impactos infortunos por conta da retrocesso econômico na cidade, que parecem não chegar ao fim. Segundo revela o Sindicato dos Empregados no município, impressionantes 630 fecharam as portas nos últimos meses, quase 6 lojas toda semana! Incrível, não?

As principais vias de comércio da cidade de Macaé são as Avenidas Rui Barbosa e a Teixeira de Gouveia, mas até mesmo nesses pontos estratégicos os empreendedores  tiverem que extinguir seus pontos comerciais, pelo motivo de não haver volume de vendas o suficiente e os alugueis se tornando cada vez mais caros.

Para quem passa por ali nos dias de hoje, realmente é um cenário muito triste de se ver, muitas lojas fechadas ou vazias pela falta de movimento. Mesmos nas galerias Aloha, Fashion e Elias Agostinho, que concentravam boa parte das vendas do calçadão, agora vivem um cenário desolador.

Naturalmente essa falta de movimento no comércio dói e muito no bolso. Sendo obrigadas a fechar por retenção de capital, as empresas estão sendo forçadas a demitir, aumentando ainda mais o desemprego.

Mariáh Silva, que é a presidenta do Sindicato dos Empregados e Comércio de Macaé, disse que é impossível postergar quantos comércios vão fechar em 2017. Se essa crise se manter por muito mais tempo, mais lojas serão fechadas e assim por diante.

Frederico Pessoa, que é dono de um salão de beleza na cidade, disse que ele tinha um faturamento ao mês de mais de R$30.000,00, agora esse lucro está 50% menor e que infelizmente, ele terá que demitir alguns de seus funcionários para tentar manter o negócio e esperar para ver se essa crise passa.

De acordo com a CAGED que é associada ao Ministério do Trabalho, em março Macaé extinguiu 442 empregos de carteira assinada no setor comercial. No ramo de prestação de serviços, 2.251 profissionais foram demitidos e 1.370 retornam com o salário muito abaixo do teto salarial.

Se fizermos um comparativos entre o primeiro trimestre de 2015 e março de 2017, essa cálculo mostra que cerca de 59.211 funcionários foram demitidos da cidade.

A situação é preocupante, vamos esperar o desenrolar dos próximos meses , pois a nossa vizinha São João da Barra, já está tomando as rédias da situação e está com seu Porto do Açú a todo vapor, esperando as movimentações logísticas na cidade.

Participe também do grupo São João da Barra, Porto do Açú, economia e empregos.

Baixem o nosso aplicativo para Android, notícias e vagas de empregos na palma da mão com atualizações diárias, sempre focado em processos seletivos reais e com fontes de alta credibilidade. O app é leve e economiza muitos dados móveis, já que a maioria de nossos leitores acessam as nossas matérias em dispositivos móveis. Temos catalogo de produtos, cursos relacionados, empresas que estão contratando, dicas, vídeos e interação entre os usuários. BAIXEM AGORA NA PlayStore CLICANDO AQUI.
The following two tabs change content below.
Paulo Nogueira
Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás como técnico de operações, Pressure Downrole Gauge Operator e em plataformas de completação do Brasil e exterior