Brasil vai atrair 50% dos investimentos de subsea no mundo

 

O Brasil deve atrair 50% do investimento mundial no mercado de subsea para petróleo e gás. A avaliação é de Rachid Félix, chairperson da sessão 3 do SPE Brazil Subsea Symposium: Unleashing the potential of Subsea 4.0​​​​​​​​​​​​​​, que acontece em 18 e 19 de junho, na Firjan, no Rio de Janeiro.

Serão discutidos nos dias 18 e 19 deste mês, na Firjan, no Rio de Janeiro, como a indústria subsea pode desenvolver novas tecnologias em um ambiente naturalmente conservador, uma vez que os riscos e os acidentes são muito caros para toda a indústria.  Segundo Felix,  a ideia do evento é por em discussão como conciliar segurança com o desenvolvimento de novas tecnologias.

“Esse é um grande desafio. Temos que enfrentá-lo. Quanto mais rápido quisermos andar maior será o desafio a ser vencido”, diz Félix.

A otimização de novas tecnologias, será outro assunto abordado no evento.  De acordo com Felix, o modelo de negócio da área de petróleo mudou profundamente depois da última crise, por conseguinte, novas tecnologias são necessárias e os tempos de desenvolvimentos mais curtos.

“O cenário atual faz com que o negócio do petróleo demande viabilidade – não somente no longo prazo – mas também no curto prazo. A sobrevida do modelo de utilização energética está em processo de mudança”, disse Félix.

Félix sinaliza que, com as mudanças recentes na regulação brasileira, o país passará a ter um leque de operadoras, desde as majors até as companhias independentes. A visão é que toda mudança vai ajudar na implementação de novas tecnologias. Enxerga novos desenvolvimentos vindo inclusive de empresas independentes.

“Esse é o grande atrativo dessa mudança estrutural. Antes o mercado brasileiro era bastante lento. Com a abertura do mercado, teremos empresas também grandes mas com culturas diferentes.

Com problemas e soluções diferentes. E também vamos começar a ver pequenas empresas desenvolvendo projetos de forma rápida. Passaremos de um operador para talvez 15 ou 20 muito rapidamente”, afirma.

O SPE Brazil Subsea Symposium é uma continuidade de diversos fóruns que acontecem há muitos anos onde se juntam empresas e especialistas para discutir abertamente. “É efetivamente um fórum de discussão tecnológica para a área submarina”, diz Rachid.

O petróleo deixou de ser um recurso escasso e existe em abundância. O custo de retirá-lo – na comparação com as demais fontes de energia é hoje o principal desafio – e vai mover a indústria para acelerar a redução do custo de produção, o aumento da segurança e uma eficiência do sistema. Isso acontecerá também no subsea.

“Esse dilema é sempre acelerado por uma bela competição, que é sempre positiva. O mundo se move mais rápido com competição”, conclui Félix.

Navio “Papa Francisco” funcionará como hospital e beneficiará comunidades do Amazonas



por epbr


Baixem também o aplicativo  Empregos e Noticiais CPG para Android na Playstore clicando aqui. Nele postamos informações e oportunidades exclusivas todos os dias.

Gostaria de compartilhar uma foto conosco da sua área de trabalho, vagas de empregos ( com as fontes), sugestões de pautas ou alguma outra informação importante do ramo de energia e empregabilidade? Entre em contato com a gente no Messenger aqui.

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica com ênfase em Automação , Inglês avançado e experiência na indústria de construção naval no estaleiro Brasfels (KeppelFells). Conhecimento dos processos de KPI, planejamento de tubulação, comissionamento e construção de drilling rigs, FPSO’s e reparos.