A maior operadora global em serviços de reboque portuário vê no Ceará um mercado estratégico, inicia as operações no Porto do Pecém e novas vagas de emprego já começam a ser geradas

Flavia Marinho
por
-
05-07-2021 07:38:36
em Indústria Naval, Portos e Estaleiros
emprego - ceará - pecém - maersk - porto - rebocadores - estaleiro - construção - Svitzer Svitzer já opera no Porto do Pecém / Foto Google

Contratos da Svitzer com a Maersk gera vagas de emprego no Pecém. Empresa está investindo US$ 30 milhões em quatro rebocadores que serão construídos no estaleiro do Rio Maguari (PA).

A Svitzer, líder global em reboque e braço portuário da Maersk, adicionou dois novos portos brasileiros às suas operações, passando a atuar também em Pecém (Ceará) e no Suape (Pernambuco) marcando sua entrada na Região Nordeste do país. O contrato da Svitzer com a Maersk ja gerou 30 novas vagas de emprego no Pecém. Os planos fazem parte da estratégia de crescimento da Svitzer Brasil e representa um importante marco na estratégia de crescimento da Svitzer Brasil e da Svitzer Américas.

Leia também

A líder global Svitzer, deslocou dois rebocadores de portos do Sul para compor a frota no terminal cearense. A empresa opera no Brasil desde 2015 e, nesse período, solidificou sua presença no Sul e no Sudeste do país, operando em cinco portos.

Svitzer assinou contrato de longo prazo com a Maersk para operação no Porto do Pecém – Ceará

Inicialmente, a Svitzer assinou contrato de longo prazo com a Maersk para operação no Porto do Pecém (Ceará). A companhia também já negocia com a base de clientes já existente novos contratos no terminal, além de prospectar oportunidades inéditas.

“Estou muito satisfeito por podermos adicionar Pecém e Suape à nossa presença no Brasil. Esse é um marco importante em nossa estratégia de expansão no país”, declara Daniel Reedtz Cohen, diretor executivo da Svitzer Brasil. “A maioria de nossos clientes são multinacionais com presença em diversos portos, que apreciam os operadores de reboque que também têm ampla presença”.

Sobre o início das operações no Ceará, Daniel Reedtz Cohen, frisa que este é um marco importante para a estratégia de expansão da empresa no Brasil. “Ao melhorar e expandir nossa cobertura portuária, podemos atender ainda melhor às necessidades de nossos clientes e apoiar suas ambições de crescimento”, complementa, em nota.

Ele argumenta que o ritmo de crescimento da movimentação portuária no Porto do Pecém (Ceará), tanto de importações quanto de exportações, tem se destacado mesmo durante a pandemia. “Obviamente, houve um impacto, mas o que estamos vendo é que principalmente a exportação continuou forte, e não só no Sul, mas também estamos vendo a importância dos portos do Norte e Nordeste”, acrescenta.

Contratos da Svitzer com a Maersk gera vagas de emprego no Ceará

As operações no Pecém (Ceará ) e em Suape geraram cerca de 30 novas vagas de emprego. Conforme o executivo, a empresa dá prioridade à mão de obra local, alinhando o conhecimento que os profissionais já possuem com o padrão de qualidade desenvolvido pela multinacional ao longo das décadas.

“O nível de conhecimento marítimo aqui no Brasil e Nordeste também é alto. Então, pra nós, facilita muito a operação já termos pessoal bom e chegar a um certo padrão de qualidade é só uma questão de combinar essas duas coisas”, afirma.

Entre os treinamentos pelos quais os contratados passam estão o de manutenção dos rebocadores e de sistemas. A Svitzer ainda prioriza fornecedores locais no Ceará em suas atividades.

Svitzer está investindo US$ 30 milhões em quatro rebocadores que serão construídos no estaleiro do Rio Maguari (PA).

Conforme Cohen, a empresa já conta com 14 rebocadores em atividade no Brasil e está investindo US$ 30 milhões na construção de outros quatro com equipamentos de última geração e com potências acima de 60 toneladas, que devem ser entregues no próximo ano. A montagem das embarcações também está sendo realizada em território brasileiro, no estaleiro do Rio Maguari (PA).

Para já iniciar a operação no Porto do Pecém (Ceará), a empresa deslocou dois rebocadores de portos do Sul. “Então, mesmo com a construção só começando, decidimos por começar a expansão já”, pontua.

Apesar do primeiro contrato, no Ceará, ser para atender navios de contêineres, os navios da Svitzer atendem a todos os tipos de carga e, de acordo com o diretor, a empresa mira e acompanha oportunidades que possam nascer dos projetos em desenvolvimento no Estado, como o hidrogênio verde.

“Estamos firmemente comprometidos com as Américas, com operações em 12 países e vemos um potencial de crescimento significativo na região, tanto no reboque portuário quanto no terminal, que são nossos principais segmentos”, destaca Arjen van Dijk, diretor da Svitzer Américas. “Como uma operadora global e regional, buscaremos essas oportunidades para expandir nossa presença em países e portos selecionados. O Brasil continua sendo um mercado-chave para nós e estamos determinados a transformar continuamente nossa presença, conhecimento e habilidades em valor para nossos clientes em todo o país”.

Com sede no Panamá, a Svitzer Américas emprega 835 pessoas e opera mais de 80 embarcações, prestando serviços marítimos a clientes globais e regionais em 12 países.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe